Rússia adverte contra tentativas de reconquista de regiões integradas

"Se houver um ato de entrada destes territórios na Federação Russa, então, em conformidade, as disposições relevantes da nossa Constituição já funcionarão", afirmou Dmitri Peskov, porta-voz do Kremlin.

A Rússia advertiu esta sexta-feira que considerará como um ataque à sua integridade territorial qualquer tentativa de reconquista das regiões ucranianas que optarem pela integração na Federação Russa.

O aviso foi feito pelo porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, no dia em que começou a votação nas regiões controladas pelas forças russas em Donetsk e Lugansk, no Donbass, e Kherson e Zaporijia. A votação vai decorrer até 27 de setembro.

Questionado no encontro diário com a imprensa sobre se eventuais tentativas da Ucrânia de reconquistar os territórios anexados serão consideradas como ataques à Rússia, Peskov foi perentório: "absolutamente", respondeu, segundo a agência oficial TASS.

Peskov admitiu que haverá procedimentos a respeitar após a votação a favor da integração, mas disse que o processo será rápido.

"Se houver um ato de entrada destes territórios na Federação Russa, então, em conformidade, as disposições relevantes da nossa Constituição já funcionarão", afirmou o porta-voz do Kremlin

A presidente do Conselho da Federação Russa, a Câmara Alta do Parlamento, Valentina Matvienko, disse esta sexta-feira que este órgão tomará o "mais rapidamente possível" todas as medidas para a adesão das quatro regiões à Federação Russa.

As autoridades pró-russas em Kherson disseram esperar que 750.000 pessoas compareçam às urnas, enquanto em Zaporijia há 500.000 pessoas registadas para votação, de acordo com a agência noticiosa russa TASS.

Em ambos os casos, será pedido aos participantes que respondam a uma pergunta: "É a favor de que a região deixe a Ucrânia, crie um Estado independente e se torne parte da Rússia?". No caso de Donetsk e Lugansk, será perguntado aos eleitores se apoiam "a entrada da república na Rússia como entidade constituinte da Federação Russa".

A Ucrânia e a comunidade internacional não reconhecem a legitimidade das consultas.

Putin avisou também que Moscovo poderá utilizar "todos os meios" no caso de uma "ameaça à integridade territorial da Rússia", incluindo as armas nucleares.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) apelou, na quinta-feira, para que todos os Estados rejeitem tentativas de "conquista territorial" pela Rússia, insistindo que Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia são parte da Ucrânia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG