Crise alimentar pode acabar em "agitação social e violência", avisa FMI

Kristalina Georgieva alertou que "a invasão da Ucrânia pela Rússia precipitou uma série de consequências económicas e sociais pelo mundo" sendo uma das mais preocupantes o corte nos fornecimentos de cereais e fertilizantes, e o aumento dos preços do petróleo.

A diretora executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI) avisou esta quinta-feira que a insegurança alimentar vivida em muitos países, aliada à alta inflação, leva a situações de fome, "que muitas vezes desencadeia agitação social e violência".

Numa mensagem divulgada no seguimento da aprovação de um plano contra a insegurança alimentar, da autoria conjunta de várias instituições financeiras multilaterais, Kristalina Georgieva alertou que "a invasão da Ucrânia pela Rússia precipitou uma série de consequências económicas e sociais pelo mundo", sendo uma das mais preocupantes o corte nos fornecimentos de cereais e fertilizantes, e o aumento dos preços do petróleo, uma situação particularmente grave para os países africanos.

"Estas pressões ocorrem numa altura em que as finanças públicas dos países já estão pressionadas devido à pandemia e o fardo da dívida pública é elevado; com a inflação a atingir os níveis mais elevados em décadas, os rendimentos dos agregados familiares mais vulneráveis nos países de baixo e médio rendimento ficam em risco grave de insegurança alimentar, e a história mostra-nos que a fome muitas vezes desencadeia agitação social e violência", alertou a líder do FMI.

"A comunidade internacional precisa de realizar ações de forma rápida e coordenada para aplacar de forma eficaz a crise alimentar, mantendo o comércio aberto, apoiando as famílias mais vulneráveis, garantindo uma oferta agrícola suficiente e lidando com as pressões de financiamento", acrescentou Georgieva, salientando que, da parte do FMI, irá garantir "aconselhamento nas políticas, assistência ao desenvolvimento da capacitação e apoio financeiro para catalisar e complementar o financiamento de outras instituições".

Na nota, a diretora executiva do FMI aponta os exemplos da Moldávia e de Moçambique como países que recentemente receberam apoio financeiro, "com um foco no fortalecimento das redes de apoio social para os agregados familiares vulneráveis".

A declaração de Georgieva surge acompanhada do Plano de Ação das Instituições Financeiras Internacionais para Lidar com a Insegurança Alimentar que afeta especialmente os países mais vulneráveis.

O plano partilhado pelas instituições financeiras multilaterais apresenta seis grandes objetivos: apoiar as populações vulneráveis, promover o comércio aberto, mitigar a escassez de fertilizantes, apoiar a produção de alimentos agora, investir em agricultura resiliente ao clima para o futuro, e apostar na coordenação para maximizar o impacto.

A apresentação do plano segue-se à reunião destas entidades, convocada pelo Tesouro norte-americano, equivalente ao Ministério das Finanças nos governos europeus, em 19 de abril, e envolve, para além do FMI, o Banco Africano de Desenvolvimento, o Banco Asiático de Desenvolvimento, o Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento, o Banco Inter-Americano de Desenvolvimento, o Banco Mundial e o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG