Karadzic garante ter feito tudo para "evitar a guerra"

Na defesa que começou a apresentar perante o Tribunal Penal Internacional, em Haia, Radovan Karadzic, que é acusado de genocídio e crimes contra a humanidade no conflito da Bósnia, entre 1992 e 1995, declarou ter feito "tudo o que era humanamente possível para evitar a guerra e reduzir o sofrimento humano".

Radovan Karadzic, o antigo chefe político dos sérvios da Bósnia, afirmou hoje, no início da apresentação da defesa em tribunal, que fez todos os possíveis para "evitar a guerra".

Karadzic - que apresentava a defesa perante os juízes do Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia em Haia - assegurou que ninguém nunca pensou que haveria um genocídio na Bósnia.

"Eu não deveria ser acusado, eu deveria ser recompensado por todas as boas ações que fiz: eu fiz tudo o que era humanamente possível para evitar a guerra e reduzir o sofrimento humano", declarou calmamente Karadzic.

"Sou um homem doce, tolerante, com uma grande capacidade para compreender os outros", disse.

Radovan Karadzic, de 67 anos, é acusado de genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra cometidos durante a guerra da Bósnia, entre 1992 e 1995, da qual resultaram mais de 100 mil mortos.

O acusado deve responder pelo massacre de 8000 homens e rapazes muçulmanos de Srebrenica, no leste da Bósnia, em julho de 1995, o pior massacre perpetrado na Europa desde a segunda guerra mundial.

Segundo a acusação, Karadzic tentou "eliminar por completo os muçulmanos e croatas da Bósnia dos territórios reivindicados pelos sérvios da Bósnia".

Karadzic referiu ainda que foi "estrito consigo próprio e com os outros para pôr em prática os poderes democráticos".

Para se defender, Karadzic disporá de 300 horas concedidas pelos juízes, o mesmo tempo que foi dado à acusação, e tenciona chamar 300 testemunhas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG