Premium O governo é de esquerda?


Portugal é espantoso. Somos o único país europeu que já experimentou quase todas as combinações políticas, sempre com o mesmo resultado. Tivemos governos PS, PSD, PS-PSD, PSD-CDS, PS-CDS e PS-PCP-BE e, para lá de detalhes sectoriais, a atitude foi sempre a mesma: democracia com economia de mercado regulado, membro da EU, NATO, etc.

Esta última experiência, já no quarto ano, tem interesse especial por antes ter sido sempre rejeitada: durante 40 anos os partidos de extrema-esquerda não faziam parte do "arco da governação". Afinal fazem e sem as catástrofes previstas. Este facto motivará muitas análises futuras, mas uma tem especial relevância: o governo é de esquerda? Ou estará "amarrado às opções da política de direita", como disse Jerónimo de Sousa no discurso final da Festa do Avante! (aliás, sem deixar de apoiar essa política)?

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.