A culpa, solteira

Vivemos num mundo infantilizado, em que cada qual atribui aos outros as culpas de todo o mal que lhe acontece ou exige que sejam os outros a resolver os seus problemas.

Em Julho de 1925, um professor de uma cidadezinha do Tennessee foi levado a tribunal por ensinar aos alunos a teoria da evolução de Darwin. Dois anos antes, o estado do Tennessee tinha aprovado uma lei, o Butler Act, proibindo que fosse ministrada nas escolas públicas e até nas universidades "qualquer teoria que negue a história da Criação Divina do Homem como é ensinada na Bíblia", sendo igualmente proscrito "ensinar que o Homem descendeu de uma ordem inferior de animais." Não era caso único: na época, muitos estados da América aprovaram leis semelhantes, que impunham o ensino do criacionismo bíblico. O Oklahoma decidiu oferecer manuais gratuitos às escolas com a condição de os professores ou os livros não mencionarem sequer a palavra "evolução" e a Florida foi a ponto de aprovar uma lei antievolucionista.

John T. Scopes, assim se chamava o docente, era um modesto professor substituto numa escolinha de Dayton, no Tennessee, e, apesar de nunca ter falado aos seus alunos de Darwin e da sua teoria, aceitou dar-se como culpado num processo que teve motivações variadas. Desde logo, a influente American Civil Liberties Union queria obter um julgamento histórico que pusesse em causa as leis antievolucionistas, terminando até no Supremo, e para isso muniu-se do advogado de defesa mais famoso da época, Clarence Darrow. Mas havia outros interesses ao barulho, porventura menos nobres: um grupo de empresários de Dayton pretendia dar projecção à cidade em benefício dos seus negócios, e para tanto convenceu o professor Scopes a dar-se como culpado de darwinismo e a entregar-se às feras. Do outro lado da barricada, a defender o criacionismo, surgiu em cena William Jennings Bryan, peso-pesado do fundamentalismo bíblico, três vezes candidato às eleições presidenciais.

Com enorme cobertura jornalística feita por repórteres afamados como H. L. Mencken, o processo ficou célebre e ainda hoje é lembrado como o "julgamento do macaco" devido às tempestuosas disputas que se travaram na sala de audiências, e fora dela, sobre a ascendência simiesca dos seres humanos. No final, o professor Scopes foi condenado a uma pesada multa, anulada em recurso com base numa minudência jurídica. E, ao contrário do que por vezes se diz, o "julgamento do macaco" não favoreceu a causa do evolucionismo: em muitos lugares da América, sucessivas gerações de estudantes continuaram a aprender que o Homem tinha sido criado à imagem e semelhança de Deus - e que Eva foi fabricada a partir de uma costela de Adão. Por muito que custe a acreditar, o Tennessee só revogou o Butler Act em 1968.

Quem ganhou com o processo, e muito, foram os homens de negócios de Dayton, doravante tornada célebre em toda a América pela refrega judicial entre evolucionistas darwinianos e criacionistas bíblicos. O engenheiro George Rappleyea, que congeminara o julgamento e que à porta de uma farmácia convencera o professor Scopes a dar-se como culpado e a ir a tribunal, com a fama alcançada pelo processo ascendeu à presidência de uma grande metalúrgica e mais tarde forneceu navios para a Segunda Guerra e para acções subversivas contra o regime cubano, entre outros tráficos armamentistas. O professor Scopes foi o entalado da história: com a vida pessoal e profissional transformada num inferno, foi perseguido e satirizado pela imprensa, escarnecido até mais não, e, como é evidente, viu barradas as portas do ensino no estado do Tennessee. Nas agruras da Grande Depressão mudou-se com a família para o seu Kentucky natal; aí tentou uma carreira política como candidato socialista ao congresso estadual, mas não foi eleito, e o resto da sua existência foi passada a trabalhar na indústria petrolífera texana. Morreu de cancro em 1970.

O "julgamento do macaco", já atrás se viu, não beneficiou a causa do evolucionismo, e para muitos teve até um efeito contraproducente na árdua batalha pela verdade científica. Diz-se até que, curiosamente, foram os soviéticos que prestaram um involuntário serviço a essa causa, pois o alarme gerado pelo lançamento do Sputnik levou a América a despertar da letargia do pós-guerra e a fazer um investimento maciço na ciência, o que provocou sérios danos nas fábulas criacionistas. Ainda assim, os fundamentalistas não desistiram e na década de 1980 muitos estados norte-americanos aprovaram leis que impunham que a evolução de Darwin e a criação bíblica fossem ensinadas aos alunos em pé de igualdade, a par e par, como se fossem ambas duas explicações válidas e credíveis para a origem do Homem e do universo.

Num célebre caso de 1986, 72 prémios Nobel tiveram de se mobilizar para convencer o Supremo a declarar a inconstitucionalidade de uma lei do Louisiana que impunha o ensino conjunto do evolucionismo e do criacionismo. Na altura, o Supremo decidiu a favor da ciência contra o fundamentalismo religioso, mas não é seguro que, se o caso se passasse nos dias de hoje, com a presidência de Trump e o domínio dos evangélicos, o bom senso prevalecesse. Quem tiver Netflix, veja o impressionante documentário Reversing Roe, sobre o aborto.

Temem alguns que a menina Greta Thunberg venha a ter um destino parecido, ou pior, ao do infortunado professor Scopes. Receia-se que a miúda enlouqueça com o brilho dos holofotes ou que esteja a ser manipulada e usada por interesses obscuros, numa campanha mundial que, como o "julgamento do macaco", pode vir a revelar-se contraproducente para a causa ambientalista. Nas páginas do Público, João Miguel Tavares manifestou paternalista compaixão pela adolescente sueca, não disfarçando que, mais do que uma preocupação genuína com a miúda, o que o movia e move é atacar todos os que rendem culto "no altar do Deus-Verde" (cf. "O sacrifício de Santa Greta no altar do Deus-Verde", Público, 25/9/2019).

Importa lembrar, no entanto, outros casos pretéritos, como o de Ruby Bridges (que, de resto, o meu amigo João Miguel Tavares bem conhece, e até já contou aos seus filhos como vida exemplar, digna de ser seguida). Na Primavera de 1960, Ruby Bridges, com 6 anitos apenas, ia à escola em Nova Orleães protegida por um batalhão de agentes de segurança federais. No caminho, insultavam-na, apupavam-na, atiravam-lhe ovos, tomates. Em manifestações horríveis, mães de família exaltadas chegaram a exibir a sua figura dentro de um caixão, em tom ameaçador e de morte. Ruby Bridges era a única aluna negra numa escola só para brancos. Melhor dizendo, era a única aluna, pois todos os pais de crianças brancas decidiram tirar os filhos da escola, em enojado protesto pela presença de uma menina de cor.

Durante um ano lectivo inteiro, Ruby Bridges teve aulas sozinha, completamente sozinha, sem mais ninguém na sala. Graças à sua coragem, e à dos seus pais, o exemplo alastrou, e com o tempo outras crianças negras seguiram-lhe o exemplo. Ruby não tinha 16 anos nem era famosa, não tinha o apoio de pais ricos nem de milhões de pessoas em todo o mundo, não discursava nas Nações Unidas nem navegava em iates com príncipes monegascos. O que ela passou foi infinitamente pior do que aquilo por que está a passar Greta Thunberg. E Ruby sobreviveu, fez-se mais forte.

Ruby Bridges Hall esteve em Lisboa, a convite da Fundação Francisco Manuel dos Santos, em Setembro de 2017. Tive então o privilégio de a conhecer, tornámo-nos amigos com um Atlântico pelo meio. Mulher madura, desgastada pela vida, com um filho morto por homicídio, nas conversas que temos tido nunca lhe ouvi uma palavra de arrependimento ou dúvida por se ter exposto em criança à fúria racista, ao risco muito patente e evidente de ser espancada ou morta, de ter a família assassinada por um louco supremacista branco. Pelo contrário, Ruby Bridges criou uma fundação com o seu nome para promover a integração racial e a tolerância, e é uma militante empenhada na causa anti-racista. Com o apoio de Barack Obama, sonha até criar um programa de intercâmbio entre estudantes portugueses e americanos. Oxalá o consiga.

Aos que farisaicamente se preocupam com os destinos de Greta Ernman Thunberg, e aos que alarvemente fazem ordinários jogos de palavras com o seu nome (incluindo na nossa imprensa escrita!), devemos lembrar com prudência o caso do professor John Scopes e do "julgamento do macaco" e, acima de tudo, devemos recordar o comovente exemplo de Ruby Bridges Hall, a quem acreditar numa causa não fez mal, pelo contrário. Dêem-nos alguma coisa em que acreditar, não é assim?

O maior risco de Greta, como bem intuiu o professor Arlindo Oliveira ("O inimigo somos nós", Público, 7/10/2019), é deixarmo-nos levar pela confortável ideia de que o problema do planeta e das alterações climáticas não é nosso, mas "deles", dos políticos e dos capitalistas. Ainda há minutos, a minha filha Leonor me mostrou, indignada, uma lista que revelava que apenas vinte empresas emitiram 35% dos gases de efeito estufa em todo o mundo. Diabolizar a Saudi Aramco, a Chevron ou a Exxon/Mobil está certo e é muito bonito, mas a culpa é tanto delas como de quem anda de automóvel ou atravessa o mundo de avião a jacto (em Julho deste ano, novo recorde mundial: 225 mil aviões no ar em simultâneo). As petrolíferas só vendem petróleo porque milhões de nós o gastamos.

E é claro que Greta se presta bem ao serviço do passa-culpas, e não foi por acaso que se escolheu uma adolescente para encabeçar a luta, pois só alguém muito novo, quase criança, pode acusar os mais velhos de lhe terem dado cabo do planeta. Só alguém muito novo, sem profissão ou passado, pode culpabilizar uma entidade indefinida, um "vocês" onde tudo cabe: políticos, empresários, cidadãos-poluidores, cientistas negacionistas (que os há, e são bem pagos: mais um bilião de dólares por ano para os think tanks negacionistas e para a sua propaganda, como referia já em 2013 o insuspeito Smithsonian).

Se for mal lido e mal praticado, o discurso de Greta é populista e perigoso, tão populista e perigoso como o populismo de Trump e seus cúmplices. Pior do que isso, é um discurso facilitista e desresponsabilizador, que nos afasta do dever fundamental de cuidarmos da "casa comum", como lhe chamou o Papa Francisco na sua luminosa encíclica ambientalista "Laudato si"/Louvado sejas. Se a culpa é "deles", da geração precedente que me danou a vida e me hipotecou o futuro, porque terei eu de mudar, de largar o automóvel urbano e os voos de longo curso?

Vivemos num mundo muito infantilizado e desresponsabilizado, em que cada qual atribui aos outros as culpas de todo o mal que lhe acontece ou exige que sejam os outros a resolver os seus problemas. Donald Trump e muitos negacionistas climáticos dizem que pouco adianta fazer, que os principais responsáveis pelo CO2 são a China e a Índia e que, enquanto estes não ganharem juízo, o melhor mesmo é continuarmos nós a poluir a atmosfera e a despejar toneladas de plástico nos oceanos. Entre os cidadãos comuns, também prevalece esta atitude cómoda, de teenager inconsciente: o problema do aquecimento global é de tal magnitude (ou, para os mais crédulos, está tão distante no tempo) que nada adianta fazermos o que quer que seja nas nossas vidas, públicas e privadas.

Por agora, parece haver um excesso de investimento na estridência pública, mas menos atenção à ética privada. Que os jovens de todo o mundo se manifestem, fazem muito bem, têm idade e direito a isso (menos em Hong Kong...), mas sigam também o conselho do Papa Francisco e comecem a fazer menos desperdício, a ter mais frugalidade nos consumos, a gastar menos em roupas e adereços supérfluos. Que separem o lixo em casa e apaguem as luzes dos quartos, que optem pelos transportes públicos. Infelizmente, não é isso que se observa pelas ruas das cidades - vejam como fica o Cais do Sodré ou a Ribeira do Porto após uma noite de loucura e copos (de plástico). Vejam como na Universidade de Coimbra, agora livre de carnes, se celebra todos os anos a Queima das Fitas, um arraial de desperdício e imundície.

Quando, num belo discurso do 10 de Junho, João Miguel Tavares pediu "dêem-nos alguma coisa em que acreditar", revelou, ao cabo e ao resto, a mesma postura da "Santa Greta" que agora critica, a mesma atitude de confiar aos outros o trabalho que a nós compete, atribuindo às elites políticas e intelectuais, a líderes religiosos ou a gurus messiânicos o encargo de nos darem motivos de fé e de esperança, como se não passássemos de um bando de miúdos que abdicaram de pensar - e de agir - na defesa dos nossos interesses, próprios e comuns.

É desta atitude "dêem-nos alguma coisa em que acreditar" que nasce a passividade cívica dos cidadãos, o que torna ainda mais estranho que, ainda nesta semana, João Miguel Tavares tenha vindo lamentar os preocupantes níveis de abstenção das passadas eleições, vendo nelas sinais de desagregação do nosso regime democrático ("O lento desmoronar do sistema político português", Público, 7/10/2019). Para mais, o bom do João Miguel, a quem daqui mando um afectuoso abraço, não tem a idade da Greta e já é crescidito o suficiente para poder reclamar mesada a paizinhos ou pedir que lhe alimentem a sua crença na pátria. E pedir a terceiros que nos dêem "motivos para acreditar" é também uma bizarria em alguém que se define como "liberal" e não confia ao Estado ou a entidades supremas o governo autónomo da sua existência.

Nada disso, porém, nos deve causar espanto, pois vivemos num país em que os grandes liberais e críticos do "sistema" e do "estatismo", de Vasco Pulido Valente a Maria de Fátima Bonifácio, entre outros, vencem como funcionários públicos ou são pensionistas da Caixa de Aposentações (e não, não vou lembrar que o ponto mais saliente do CV do agora deputado da Iniciativa Liberal foi ter sido presidente de um organismo do Estado, o Turismo de Portugal, I.P.)

Enfim, da activista sueca ao cronista alentejano, do presidente Trump aos pseudoliberais lusitanos, a mesma atitude infantil, sempre o sartriano l'enfer c'est les autres, nunca nós próprios. Salva-se na pintura o professor John T. Scopes, vítima do obscurantismo e da luta pela verdade. Mas Scopes, coitado, morreu triste e sozinho. Como a culpa, eterna solteira.

Historiador. Escreve de acordo com a antiga ortografia.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.