Cristian Georgescu chegou a Portugal a 1 de maio de 2010. Nove anos depois, não esquece a família na
Premium

inclusão

Cristian traficou droga, viveu na prisão e foi sem-abrigo. Agora ajuda os que precisam

Em 2010, deixou a Roménia, a mãe e a filha - que ainda moram no bairro que o viu nascer, traficar droga, ir para a prisão e consumir. No Porto acreditou que seria diferente, mas voltou a consumir, roubou e viveu na rua. Um dia alguém o ajudou a mudar de vida. Hoje, é ele que faz isso, através da associação que criou, Saber Compreender.

Cristian Georgescu saiu da Roménia para não morrer. Hoje, quase aos 41 anos, aonde quer que vá, seja à rua, a faculdades, a colóquios ou a reuniões com instituições, tem uma história para contar: a dele. A história de um cigano romeno, que nasceu num bairro de Bucareste, "estilo Pasteleira no Porto", no seio de uma família grande, que construiu o sonho de fazer o mesmo, mas a quem a vida deu um destino diferente.

Ele traficou droga, soube o que era a prisão, deixou-se apanhar pelo vício, quando pensava que não era possível, e conseguiu deixá-lo, primeiro por algum tempo, agora já há anos. Quando chegou ao Porto, com o irmão mais velho e dois amigos, achou, mais uma vez, que seria diferente. Não foi. O irmão regressou à Roménia, ele quis ficar. Acabou na rua, a dormir em São Bento, e a consumir todo o tipo de drogas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.