Como o mentor da Web Summit se apaixonou por Lisboa

Paddy Cosgrave, o líder da Web Summit fala de forma poética da capital portuguesa, casa dos próximos dez anos do evento. Os seus hábitos e locais de eleição na cidade a que chama casa (graças ao Airbnb) vários dias por ano.

Aos 35 anos, Patrick Cosgrave, mais conhecido por Paddy, é um empreendedor irlandês que, em poucos anos, tornou uma pequena conferência nascida em Dublin, na Irlanda, numa das conferências mais respeitadas e populares a nível mundial. E, desde 2015 que o slogan associado à Web Summit, "a maior conferência de tecnologia do mundo", passou a ter como ponto de partida e de chegada Lisboa.

O que significa, então, a capital portuguesa para Paddy Cosgrave? Foi isso que tentámos saber nesta semana, falando com o irlandês que é fundador e CEO da Web Summit. O que ele nos contou mostra não só uma relação surpreendente que tem crescido e dado frutos - ao ponto de Lisboa ter garantido ser "casa" dos próximos 10 anos do evento - mas também ao estilo e personalidade acessível e simples (mas incrivelmente curiosa) do mestre-de-cerimónias do evento.

Mal começámos a conversa com Paddy, que decorreu nesta sexta-feira, a primeira história reveladora da sua popularidade em território nacional. O irlandês tinha ido, instantes antes, buscar um café a um dos seus sítios preferidos, a coffee shop Fábrica (além de terem uma carrinha no Parque das Nações, bem perto da casa da Web Summit, também têm espaços no centro de Lisboa que Paddy conhece).

Paddy diz adorar passear a pé pelas ruas da parte antiga de Lisboa, e a Praça do Comércio fascina-o. Também o Príncipe Real faz parte das suas zonas favoritas da cidade.

"Estava na fila e quando chegou a vez de pedir, percebi que não tinha dinheiro, só cartão, mas mal perceberam que eu era "aquele tipo da Web Summit" quiseram-me dar o café à borla." A popularidade em Portugal, claramente, não é só junto dos governantes portugueses - que marcam sempre presença no evento, do primeiro-ministro ao Presidente da República. Apesar disso, Paddy sabe que "é impossível agradar a todos" e tem boa experiência disso mesmo na sua terra natal, a Irlanda.

Este irlandês lisboeta (parte do ano) vive e trabalha a maioria do tempo em Dublin, onde é a sede oficial da Web Summit. Isto quando não está em conferências ou encontros com governantes, investigadores e afins de todo o mundo. Vem várias vezes durante o ano a Lisboa, para preparar a Web Summit, um trabalho constante de que também fazem parte as outras conferências de menor dimensão que a sua equipa organiza (Collision, nos EUA - vai passar para o Canadá -; MoneyConf, este ano na Irlanda, e RISE, em Hong Kong).

A já famosa forma simples como se veste mesmo junto aos governantes dos principais países faz parte do seu estilo de vida, que também se manifesta na forma como passa tempo em Lisboa. As calças de ganga, T-shirt ou camisola de lã feita pela sua mulher não vão ser trocadas pelo tradicional fato. Paddy acha mesmo que a maioria dos governantes e empresários usa fato, "uma espécie de armadura", porque é obrigado. "São desconfortáveis", diz. O único que tinha perdeu-o há cinco meses e ainda não o substituiu.

Paddy admite com entusiasmo que "Lisboa tem-se revelado um sítio mágico" e que "Portugal está a atravessar um momento único". "Quando a Web Summit chegou a Portugal [em 2015] já sentíamos entusiasmo no ar à volta de tecnologia, inovação e empreendedorismo" e, com o crescimento da comunidade de startups, "as multinacionais começaram a pensar em Lisboa como hub europeia". Daí que Paddy admita que a Web Summit "alimentou-se desta atmosfera, da cidade, da cultura" e até apresente números: "Um estudo recente diz que o ecossistema nacional de startups está a crescer ao dobro da média europeia." "Tem sido fantástico ver esta evolução", diz, falando da presença de centros da Google, Mercedes ou Amazon" e num "futuro promissor" nos próximos anos.

Passear na cidade iluminada

Nascido e criado numa quinta, em Wicklow, é no meio da natureza que se sente melhor, daí que não seja surpreendente que adore ir a Sagres fazer surf com o irmão (a mulher também pratica), embora admita que só foi três vezes. "Adoro aquela zona tão intocada e natural", admite.

Quando está em Lisboa já para a Web Summit fica num hotel, o VIP Executive Art's Hotel, perto do Altice Arena, "o local onde o nosso Mundial acontece". A família, que inclui a mulher (ex-modelo que conheceu na faculdade), o filho de 2 anos, o irmão e o pai, chegou neste sábado e fica como sempre, num Airbnb alugado, no centro da cidade. A localização não é por acaso. Fica bem junto ao Mercado da Ribeira, onde a Web Summit tem há pouco mais de um ano os seus escritórios lisboetas.

É nessa zona que Paddy costuma ficar nas várias vezes que vem à capital. Uma manhã típica do líder da Web Summit por cá, implica acordar pelas 07.00 e ir ao Comoba, um café na Rua de São Paulo, com refeições saudáveis e rápidas e que pertence a um inglês e dois portugueses. "Abre cedo e tem brunch e bons pequenos-almoços, chegou a ir duas a três vezes por dia lá." E além de se alimentar o que faz por lá Paddy? "Gosto de ler livros ou trabalhos académicos."

Uma manhã típica do líder da Web Summit por cá, implica acordar pelas 07.00 e ir ao Comoba, um café na Rua de São Paulo.

A paixão por Lisboa, "a cidade iluminada", começa a revelar-se pouco depois. "Adoro a Praça do Comércio. É imensa e a arquitetura é incrível, especialmente quando olhamos da Rua Augusta entre os arcos até ao rio. É muito especial." Daí que Paddy goste de andar a pé pela zona central da cidade. "É muito convidativa para se passear e faço passeios sozinho ou com a família." O filho só tem 2 anos e gosta de ir ao Jardim Botânico com ele. "Mesmo ao lado (no Príncipe Real) há um parque infantil que ele adora."

O jantar da Web Summit no Palácio Nacional da Ajuda (não confundir com o polémico evento no Panteão Nacional) deixou-o impressionado com o espaço. "Gosto de passear na zona do Bairro Alto e do centro em geral, há história por todo o lado. Vemos edifícios renovados ao lado de outros meio abandonados, mas por algum motivo ali são aceitáveis, são confortáveis à vida porque a arquitetura é tão bonita, que têm charme." A cidade "encantadora" mesmo nos seus defeitos traz mesmo sentimentos de paixão: "Estou demasiado apaixonado pelo centro, pela forma como o sol e as colinas criam um efeito de sombras longas, especialmente ao anoitecer e ao início da manhã, a luz é excecional."

Sobre restaurantes, tal como na roupa, simplicidade acima de tudo, daí não ter preferidos. "Levam-me a vários restaurantes diferentes e até gosto de ir, mas, para mim, quanto mais simples, familiar e com peixe, melhor." No final, confessa, "sinto-me melhor a viver no campo, no meio da natureza, venho de um meio rural". Daí que sair da sua amada Irlanda não faça parte dos planos.

Leia mais em Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.