A nova Nova Ordem Mundial

Já houve um tempo em que o futuro era promissor e ia ser escrito por nós, pelo ocidente. Esse tempo acabou e não sabemos em que tempo vivemos nem quem o escreve. Ou sabemos - e não temos porque celebrar.

George H. Bush foi o melhor presidente dos Estados Unidos da América que o mundo podia ter tido então (1989-1993). Preparado como poucos, discreto, diplomata e com sentido de serviço. Se Ronald Reagan (com Thatcher e o papa João Paulo II) ganhou a Guerra Fria, George Bush construiu a paz. Como recordou o New York Times, o então presidente escreveu no seu diário a 31 de dezembro de 1989: "I'm certainly not seen as visionary, but I hope I'm seen as steady and prudent and able."

Para além da sua história pessoal, marcada pela coragem de, a seguir a Pearl Harbor, se voluntariar para combater na Segunda Guerra Mundial, George H. Bush mostrou como via o mundo pós-Guerra Fria em duas decisões fundamentais: a libertação do Koweit com o acordo de todos os membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas (sem entrar pelo Iraque adentro e destronar Saddam porque não era esse o mandato) e a reunificação alemã dentro da NATO (contra a vontade de Thatcher e Mitterrand que perceberam que uma Alemanha unida seria a verdadeira potência europeia, mas isso é outra história). Num caso e noutro, a América de Bush era um poder vitorioso, com um propósito, como disse no seu discurso inaugural: "(...) To make kinder the face of the nation and gentler the face of the world."

As democracias liberais tinham ganho a guerra, era o fim da história, declarou Fukuyama em 1992. Quem cresceu durante a Guerra Fria viveu aqueles tempos assim. O ocidente tinha provado a sua razão, o futuro do resto do mundo ia ser tão promissor quanto o nosso. Havia um caminho, tinha havido e continuava a haver liderança. Quem cresceu nos anos seguintes, já em plena paz e durante uma onda democratizadora que pareceu irreversível, habituou-se ao otimismo. Até que alguma coisa aconteceu.

a América de Bush era um poder vitorioso, com um propósito

Como escreveu em outubro passado Anne Applebaum, entre a passagem de ano que organizou no interior da Polónia em 1999 e hoje há uma enorme transformação. Muitos dos que então celebravam a chegada do país - e, de um modo geral, da Europa de Leste - ao ocidente, agora seguem um caminho divergente da ideia das democracias liberais. Mas não é apenas aqui que se nota a diferença.

Enquanto no ocidente assistimos a uma transformação que não lideramos e que não sabemos onde nos levará, do outro lado do mundo parece haver quem saiba para onde vai. Se olharmos para os artigos que o New York Times tem escrito sobre a China, para o que Bruno Maçães escreveu há duas semanas no Expresso ou para a preocupação por trás da recente decisão europeia de estabelecer um " quadro de análise do investimento direto estrangeiro na UE", sabemos de quem é que o ocidente tem medo.

Em 2019 fará 30 anos que o Muro de Berlim caiu e 60 que a NATO foi criada. O que devia ser um momento de celebração é de enorme incerteza para nós. E angústia. Talvez isso explique tudo o resto.

Consultor em Assuntos Europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.