Número de desempregados cai em maio para mínimo de quase 16 anos

350.174 pessoas continuam inscritas nos centros de emprego, um número que baixou em maio 19 por cento

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 19% em maio, face a igual mês de 2017, para 350.174 pessoas, caindo 6,9% face ao mês anterior, segundo dados divulgados esta quinta-feira pelo IEFP.

De acordo com os dados disponíveis na página do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), para a diminuição do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2017, contribuíram todos os grupos de desempregados, com destaque para os homens (-21,2%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (-18,1%), os inscritos há um ano ou mais (-21,2%), os que procuravam novo emprego (-18,7%) e os que possuem como habilitação escolar o 1.º ciclo básico (-21,7%), e ainda ensino secundário(-17,1%).

De acordo com a série longa do IEFP, é preciso recuar quase 16 anos (até agosto de 2002) para encontrar um número mais baixo do que o apurado para o mês de maio.

O desemprego jovem teve um decréscimo homólogo de 25,9% (menos 12,3 mil pessoas) e uma diminuição em cadeia de 10,3% (menos 4 mil pessoas), situando-se nos 35 mil jovens.

O desemprego de longa duração recuou 21,2% na comparação homóloga, com um decréscimo de 46,4 mil pessoas inscritas há mais de 12 meses nos centros de emprego, e ficou nas 172,5 mil pessoas (menos 5,6% face ao mês de abril).

A redução homóloga foi transversal a todas as regiões do país, com destaque para os decréscimos de 22,2% no Algarve e Alentejo.

O desemprego diminuiu em todos os setores de atividade, com a maior redução homóloga a registar-se mais uma vez no setor da construção, onde o desemprego recuou 28,2% (menos 10,6 mil pessoas).

A diminuição do desemprego na construção teve um contributo de 15% para diminuição homóloga do número de desempregados à procura de novo emprego.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.