Número de desempregados cai em maio para mínimo de quase 16 anos

350.174 pessoas continuam inscritas nos centros de emprego, um número que baixou em maio 19 por cento

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego baixou 19% em maio, face a igual mês de 2017, para 350.174 pessoas, caindo 6,9% face ao mês anterior, segundo dados divulgados esta quinta-feira pelo IEFP.

De acordo com os dados disponíveis na página do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), para a diminuição do desemprego registado, face ao mês homólogo de 2017, contribuíram todos os grupos de desempregados, com destaque para os homens (-21,2%), os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (-18,1%), os inscritos há um ano ou mais (-21,2%), os que procuravam novo emprego (-18,7%) e os que possuem como habilitação escolar o 1.º ciclo básico (-21,7%), e ainda ensino secundário(-17,1%).

De acordo com a série longa do IEFP, é preciso recuar quase 16 anos (até agosto de 2002) para encontrar um número mais baixo do que o apurado para o mês de maio.

O desemprego jovem teve um decréscimo homólogo de 25,9% (menos 12,3 mil pessoas) e uma diminuição em cadeia de 10,3% (menos 4 mil pessoas), situando-se nos 35 mil jovens.

O desemprego de longa duração recuou 21,2% na comparação homóloga, com um decréscimo de 46,4 mil pessoas inscritas há mais de 12 meses nos centros de emprego, e ficou nas 172,5 mil pessoas (menos 5,6% face ao mês de abril).

A redução homóloga foi transversal a todas as regiões do país, com destaque para os decréscimos de 22,2% no Algarve e Alentejo.

O desemprego diminuiu em todos os setores de atividade, com a maior redução homóloga a registar-se mais uma vez no setor da construção, onde o desemprego recuou 28,2% (menos 10,6 mil pessoas).

A diminuição do desemprego na construção teve um contributo de 15% para diminuição homóloga do número de desempregados à procura de novo emprego.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.