Novo Banco vai pagar juro mais alto do ano na banca europeia

O banco promete uma taxa de juro mínima de 8,5% para emitir até 400 milhões de euros em dívida de maior risco. Caixa tinha pago 5,75% na semana passada

O Novo Banco acena com um juro de 8,5% para convencer os investidores a comprar dívida. A taxa oferecida é a mais alta em emissões semelhantes feitas por bancos da zona euro este ano, segundo dados da Reuters. É o custo para provar que o banco que nasceu dos escombros do BES consegue aceder aos mercados e cumprir com uma das obrigações impostas pela Comissão Europeia.

"Tendo em conta o passado e os traumas de muitos investidores com o processo BES/Novo Banco é natural que a taxa de juro paga seja elevada", diz Pedro Lino ao DN/Dinheiro Vivo. O administrador da Dif Broker acrescenta que "face à última emissão de dívida da operação de capitalização da CGD, o Novo Banco consegue uma taxa que, considerando as incertezas que ainda existem, é atrativa e tenta marcar o regresso aos mercados".

O Novo Banco quer colocar entre 250 milhões e 400 milhões em títulos subordinados que contam como fundos próprios de nível 2 (tier 2). A instituição financeira indicou, num documento sobre a operação, que vai pagar uma taxa mínima de 8,5% ao ano. Os títulos têm um prazo de dez anos com opção de reembolso antecipado ao quinto ano. Na semana passada a CGD obteve um juro de 5,75% para emitir títulos semelhantes.

João Queiroz, diretor da banca online do Banco Carregosa, considera ao DN/Dinheiro Vivo que essa taxa "reflete uma perceção de elevado risco que muito provavelmente estará relacionado com o desempenho do emitente, que se caracteriza por incerteza na geração de resultados anuais". O banco teve prejuízos de quase 1,4 mil milhões de euros em 2017 devido à subida de 50% nas imparidades e provisões para mais de dois mil milhões. O banco ativou o mecanismo de capital contingente, solicitando 791,7 milhões ao Fundo de Resolução (430 milhões dos quais emprestados pelo Estado). Mas nos primeiros três meses do ano o Novo Banco abandonou a sequência de perdas. Lucrou 61 milhões.

Apesar do resultado positivo, António Ramalho disse na altura que o banco está "focado na recuperação sustentável e não nos lucros imediatos". E realçou que "estes objetivos de longo prazo ainda irão afetar a nossa rentabilidade por mais algum tempo".

A procura e o Fundo de Resolução

Caso a emissão não atraia procura suficiente, o Fundo de Resolução terá de garantir a emissão. Mas o juro elevado poderá abrir o apetite do mercado. Pedro Lino salienta que a operação tem "uma taxa atrativa para os investidores".

Além da emissão de dívida subordinada, o Novo Banco tem em curso ofertas de recompras e de troca a alguns detentores de obrigações seniores. A ideia é permitir a esses investidores utilizarem o encaixe com esses títulos para comprarem a nova dívida que está a ser emitida de forma a garantir a procura e evitar a atuação do Fundo de Resolução.

Filippo Alloatti considerou, citado pela Reuters, que nesse ponto a operação "está bem desenhada para incentivar os detentores de dívida sénior a participar". Os resultados finais da operação deverão ser conhecidos amanhã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.