Novo Banco vai pagar juro mais alto do ano na banca europeia

O banco promete uma taxa de juro mínima de 8,5% para emitir até 400 milhões de euros em dívida de maior risco. Caixa tinha pago 5,75% na semana passada

O Novo Banco acena com um juro de 8,5% para convencer os investidores a comprar dívida. A taxa oferecida é a mais alta em emissões semelhantes feitas por bancos da zona euro este ano, segundo dados da Reuters. É o custo para provar que o banco que nasceu dos escombros do BES consegue aceder aos mercados e cumprir com uma das obrigações impostas pela Comissão Europeia.

"Tendo em conta o passado e os traumas de muitos investidores com o processo BES/Novo Banco é natural que a taxa de juro paga seja elevada", diz Pedro Lino ao DN/Dinheiro Vivo. O administrador da Dif Broker acrescenta que "face à última emissão de dívida da operação de capitalização da CGD, o Novo Banco consegue uma taxa que, considerando as incertezas que ainda existem, é atrativa e tenta marcar o regresso aos mercados".

O Novo Banco quer colocar entre 250 milhões e 400 milhões em títulos subordinados que contam como fundos próprios de nível 2 (tier 2). A instituição financeira indicou, num documento sobre a operação, que vai pagar uma taxa mínima de 8,5% ao ano. Os títulos têm um prazo de dez anos com opção de reembolso antecipado ao quinto ano. Na semana passada a CGD obteve um juro de 5,75% para emitir títulos semelhantes.

João Queiroz, diretor da banca online do Banco Carregosa, considera ao DN/Dinheiro Vivo que essa taxa "reflete uma perceção de elevado risco que muito provavelmente estará relacionado com o desempenho do emitente, que se caracteriza por incerteza na geração de resultados anuais". O banco teve prejuízos de quase 1,4 mil milhões de euros em 2017 devido à subida de 50% nas imparidades e provisões para mais de dois mil milhões. O banco ativou o mecanismo de capital contingente, solicitando 791,7 milhões ao Fundo de Resolução (430 milhões dos quais emprestados pelo Estado). Mas nos primeiros três meses do ano o Novo Banco abandonou a sequência de perdas. Lucrou 61 milhões.

Apesar do resultado positivo, António Ramalho disse na altura que o banco está "focado na recuperação sustentável e não nos lucros imediatos". E realçou que "estes objetivos de longo prazo ainda irão afetar a nossa rentabilidade por mais algum tempo".

A procura e o Fundo de Resolução

Caso a emissão não atraia procura suficiente, o Fundo de Resolução terá de garantir a emissão. Mas o juro elevado poderá abrir o apetite do mercado. Pedro Lino salienta que a operação tem "uma taxa atrativa para os investidores".

Além da emissão de dívida subordinada, o Novo Banco tem em curso ofertas de recompras e de troca a alguns detentores de obrigações seniores. A ideia é permitir a esses investidores utilizarem o encaixe com esses títulos para comprarem a nova dívida que está a ser emitida de forma a garantir a procura e evitar a atuação do Fundo de Resolução.

Filippo Alloatti considerou, citado pela Reuters, que nesse ponto a operação "está bem desenhada para incentivar os detentores de dívida sénior a participar". Os resultados finais da operação deverão ser conhecidos amanhã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.