Investimento público em Portugal é o mais baixo desde 1986

Apesar de o produto interno bruto do país ter crescido 69%, os valores do investimento estão ao nível do período de pré-adesão à União Europeia. Os construtores pedem a implementação do plano estratégico dos transportes

As perspetivas otimistas da construção para 2016 goraram-se e o ano fica marcado por nova quebra na produção, o que acontece pelo nono ano consecutivo. O investimento em construção deverá ter-se situado nos 13,1 mil milhões de euros e é preciso recuar três décadas, até 1986, para encontrar um valor mais baixo. Ou como destaca a Associação dos Industriais da Construção e Obras Públicas, Portugal voltou a apresentar, em matéria de investimento e, em especial de investimento em construção, valores só comparáveis ao período de pré-adesão à União Europeia: "É um retrocesso inaceitável e que tem de ser revertido", lamenta o presidente da AICCOPN, Reis Campos.

E os números falam por si: nos últimos 30 anos, o produto interno bruto em Portugal cresceu 69%, mas o investimento está "totalmente estagnado". A situação não é nova e tem merecido alertas da OCDE que aponta Portugal como um dos três países com menor peso do investimento no PIB. E a construção é uma das indústrias que mais se ressente. Veja-se que, desde 2001, o ano de pico do setor, que contou com um investimento total de 30,248 mil milhões de euros, a quebra acumulada do investimento em construção é já de 55,5%. E a situação só não é pior graças ao dinamismo do segmento da reabilitação. É que até a internacionalização, que valia 10,4 mil milhões de euros para as empresas da fileira (incluindo os materiais de construção), deixou de ajudar, com a perda do mercado angolano, que valia 63% deste valor. O que obrigou grande parte das empresas que apostaram neste mercado a reposicionarem, por completo, as suas atividades, procurando novas oportunidades, designadamente na América Latina e na Europa.

E será 2017 o ano de inversão da crise? Ricardo Pedrosa Gomes, presidente da federação da construção, a Fepicop, assume a sua "expectativa positiva" para o novo ano, embora sublinhe que se sabe de antemão que não vai haver investimento público. "As obras que estão a ser concursadas agora só darão lugar a adjudicações daqui por um ano. Por isso, contamos que o motor do crescimento resulte da dinâmica da construção de edifícios, residenciais e não só. Estão previstos grandes investimentos em hospitais privados em 2017", destaca Pedrosa Gomes.

O presidente da AICCOPN, concorda. Reis Campos lembra que o primeiro-ministro anunciou que, em 2017, iria ser dada prioridade à habitação e às cidades, como forma de reanimar a construção, o que agrada à fileira. No entanto, alerta que essa intenção "só terá efeito prático" se os projetos forem lançados no primeiro trimestre. "Somos um setor lento, pesado, antes de se avançar com uma obra ela tem de ser planificada, expropriados os terrenos, elaborados os projetos, colocá-la a concurso... leva um ano", diz, apontando duras críticas ao atraso na implementação do plano estratégico dos transportes e infraestruturas (ver fotolegenda).

Ricardo Pedrosa Gomes acredita que o investimento em obras públicas só terá efeitos em 2018, porque "esse é o prazo-limite para começar, fisicamente, os investimen-tos que fazem parte do quadro comunitário e que têm de estar concluídos, no limite, em 2021". Já Reis Campos alerta para a urgência de não desperdiçar fundos: "Portugal tinha alguma dificuldade em aceder aos fundos, dada a situação de défice excessivo. Esperamos que, sem esse problema este ano, tudo se torne mais simples". Ao mesmo tempo lamenta que se estejam, sempre, a criar "falsas expectativas" às empresas.

"Em 2016 foram lançados concursos públicos no valor de 1,640 mil milhões de euros, mas os contratos celebrados totalizam 702 milhões apenas. Podia dizer-se que isto era conjuntural e que esta disparidade seria diminuída ou anulada este ano, mas a verdade é que, só desde 2011, temos 4,9 mil milhões de euros acumulados de diferencial entre os concursos promovidos e os adjudicados", frisa, lamentando esta "prática reiterada".

Exclusivos