Famílias declararam menos gastos com educação

Estatísticas do IRS entregue no ano passado mostram ainda que há mais ricos em Portugal

Seja porque há mais manuais escolares a serem trocados entre alunos ou porque as faturas aumentaram o crivo das despesas que podem ajudar a baixar o IRS, certo é que em 2016 foram menos 5% as famílias que declararam despesas com educação. E também desceu o valor global desta dedução, que passou de 262 milhões para 257 milhões de euros.

Os dados estatísticos extraídos das declarações entregues em 2017 (para o IRS relativo a 2016) foram ontem divulgados pela Autoridade Tributária e Aduaneira e revelam que houve uma quebra de 51 mil agregados familiares a reportar gastos com educação. Na saúde, o número de contribuintes com este tipo de despesa também baixou (cerca de 13 mil), mas o valor abatido ao imposto aumentou de 414 milhões para 421 milhões de euros de 2015 para 2016.

Em quebra estiveram também as despesas gerais familiares, que vieram substituir a dedução pessoal, que até à reforma do IRS era atribuída de forma automática (e "invisível") a todos os contribuintes. O fisco aceita que 35% do valor total das despesas possa abater ao imposto, até ao limite de 250 euros por sujeito passivo. Como o leque de despesas que entra neste tipo de dedução é bastante vasto, a descida acaba por surpreender, mas a verdade é que foram menos cerca de 52 mil pessoas a beneficiar desta dedução, e o valor global também encolheu 7 milhões de euros.

Além de medirem o pulso ao andamento das deduções, estas estatísticas mostram também o número e o escalão de rendimentos dos que entregaram declaração de IRS, as taxas efetivas de tributação ou a tipologia de rendimento.

Há mais 342 ricos

Após alguns anos de quebra (que coincidiram com os da crise), o número de pessoas que declaram rendimentos anuais superiores a 250 mil euros começaram a aumentar: no ano passado, houve mais 342 famílias a entrar neste patamar de valores. No total, foram 2794 (mais 13,95%) os que declararam mais de 250 mil euros. No escalão imediatamente anterior (entre os 100 mil e os 250 mil euros) há agora 38 202 agregados - ou seja, mais quatro mil do que antes.

De uma maneira geral, todos os patamares de rendimento acima dos dez mil euros registaram acréscimos, enquanto abaixo deste valor anual se observou um decréscimo do número de agregados.

No total dos 5,07 milhões que entregaram declaração de IRS, pouco mais de metade (51,89%) chegaram a pagar IRS. Nos restantes, depois da aplicação das deduções, já não houve margem para liquidar imposto.

A sobretaxa começou em 2016 a iniciar o processo de redução gradual, sendo eliminada para o 1.º escalão e reduzida nalguns dos seguintes). E foi este movimento que explicou que a receita tivesse caído de 938 milhões em 2015 (apurados em 2016) para 544 milhões de euros no ano seguinte. Mais de metade deste valor foi pago por quem declarou rendimentos de trabalho independente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?