Edifício do Diário de Notícias dá lugar a 34 apartamentos de luxo

Antigo edifício do Diário de Notícias dá lugar ao Liberdade 266, um projeto da promotora Avenue

O projeto de reabilitação do antigo edifício do Diário de Notícias tem finalmente luz verde para avançar. No lugar do emblemático prédio da Avenida da Liberdade vão nascer 34 novos apartamentos.

O projeto foi apresentado esta quarta-feira pela promotora imobiliária Avenue, que adquiriu o edifício no início do ano passado por 20 milhões de euros. As obras arrancam o terceiro trimestre do ano. A licença de construção foi aprovada no final de junho, um ano e meio após a compra. Com o investimento na recuperação, o custo total do Liberdade 266 será de 45 milhões de euros.

Sob o mote "Uma nova história para contar", a Avenue garante que o projeto prestará homenagem ao Diário de Notícias. Aniceto Viegas, diretor-geral da Avenue, sublinhou na apresentação que o desenho final "respeita o legado" do edifício histórico e que "preserva tudo o que é possível preservar". O gabinete de arquitetura Contacto Atlântico será responsável pela renovação.

"O 266 Liberdade realça o traçado arquitetónico do edifício do Diário de Notícias, restaurando as fachadas e alguns dos elementos mais característicos e projetando interiores renovados, com vista a conjugar conforto e elegância, história e contemporaneidade", lê-se na brochura de apresentação do imóvel.

O edifício terá 34 apartamentos distribuídos por cinco pisos e 47 lugares de estacionamento subterrâneo. As tipologias variam entre o T0 e o T5. O apartamento mais pequeno ocupará uma área de 48 m2.

Já o T5 será uma penthouse no último andar do edifício, com 408 m2, quatro suítes, um terraço de 416 m2, um terraço interior e acesso por elevador independente.

Já a galeria do rés-do-chão dará lugar a uma loja de 1300 m2, que terá acesso pela Avenida da Liberdade e pela rua Rodrigues Sampaio. Segundo o responsável da Avenue, ainda não há interessados no espaço, que deverá dá lugar a uma loja de roupa face às características no imóvel.

"Uma das casas mais caras de Lisboa"

A comercialização dos apartamentos do Liberdade 266 arranca esta quarta-feira pelas imobiliárias JLL e Porta da Frente. Até agora, manifestações de interesse "espontâneas" não têm faltado, garante Aniceto Viegas.

Os preços começam nos 430 mil euros, para os apartamentos de tipologia T0. Para os T1, o preço estipulado é de 560 mil euros. Já nos T2 sobe para os 1,1 milhões de euros, enquanto os T3 deverão ser vendidos por um valor que parte dos 1,720 milhões de euros.

O preço do T5 é o único que ainda não está estipulado e só será colocado à venda no final do ano. "É um imóvel único que terá sempre uma componente emocional. Ainda há características que vamos ver se é possível manter. Temos de encontrar uma definição de preço muito acertada, um preço justo que corresponda à procura. Sim, será uma das casas mais caras à venda em Lisboa", destaca Aniceto Viegas.

No interior do edifício vão manter-se os frescos de Almada Negreiros, a porta giratória da entrada principal, a caixa do elevador e os revestimentos em mármore, entre outros elementos. No exterior mantêm-se os dois letreiros com o nome do diário e será recuperada a fachada original da Rua Rodrigues Sampaio.

Segundo Aniceto Viegas, o licenciamento do projeto foi "muito rigoroso", tendo a promotora respeitado as regras definidas pela Câmara Municipal de Lisboa e pela Direção Geral do Património Cultural para a transformação do edifício. "A solução discutida nos primeiros meses foi muito próxima à versão final", destaca.

O edifício foi inaugurado em 1940 e é da autoria do arquiteto Porfírio Pardal Monteiro, tendo vencido nesse ano o Prémio Valmor.

Notícia DN/Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.