Edifício do Diário de Notícias dá lugar a 34 apartamentos de luxo

Antigo edifício do Diário de Notícias dá lugar ao Liberdade 266, um projeto da promotora Avenue

O projeto de reabilitação do antigo edifício do Diário de Notícias tem finalmente luz verde para avançar. No lugar do emblemático prédio da Avenida da Liberdade vão nascer 34 novos apartamentos.

O projeto foi apresentado esta quarta-feira pela promotora imobiliária Avenue, que adquiriu o edifício no início do ano passado por 20 milhões de euros. As obras arrancam o terceiro trimestre do ano. A licença de construção foi aprovada no final de junho, um ano e meio após a compra. Com o investimento na recuperação, o custo total do Liberdade 266 será de 45 milhões de euros.

Sob o mote "Uma nova história para contar", a Avenue garante que o projeto prestará homenagem ao Diário de Notícias. Aniceto Viegas, diretor-geral da Avenue, sublinhou na apresentação que o desenho final "respeita o legado" do edifício histórico e que "preserva tudo o que é possível preservar". O gabinete de arquitetura Contacto Atlântico será responsável pela renovação.

"O 266 Liberdade realça o traçado arquitetónico do edifício do Diário de Notícias, restaurando as fachadas e alguns dos elementos mais característicos e projetando interiores renovados, com vista a conjugar conforto e elegância, história e contemporaneidade", lê-se na brochura de apresentação do imóvel.

O edifício terá 34 apartamentos distribuídos por cinco pisos e 47 lugares de estacionamento subterrâneo. As tipologias variam entre o T0 e o T5. O apartamento mais pequeno ocupará uma área de 48 m2.

Já o T5 será uma penthouse no último andar do edifício, com 408 m2, quatro suítes, um terraço de 416 m2, um terraço interior e acesso por elevador independente.

Já a galeria do rés-do-chão dará lugar a uma loja de 1300 m2, que terá acesso pela Avenida da Liberdade e pela rua Rodrigues Sampaio. Segundo o responsável da Avenue, ainda não há interessados no espaço, que deverá dá lugar a uma loja de roupa face às características no imóvel.

"Uma das casas mais caras de Lisboa"

A comercialização dos apartamentos do Liberdade 266 arranca esta quarta-feira pelas imobiliárias JLL e Porta da Frente. Até agora, manifestações de interesse "espontâneas" não têm faltado, garante Aniceto Viegas.

Os preços começam nos 430 mil euros, para os apartamentos de tipologia T0. Para os T1, o preço estipulado é de 560 mil euros. Já nos T2 sobe para os 1,1 milhões de euros, enquanto os T3 deverão ser vendidos por um valor que parte dos 1,720 milhões de euros.

O preço do T5 é o único que ainda não está estipulado e só será colocado à venda no final do ano. "É um imóvel único que terá sempre uma componente emocional. Ainda há características que vamos ver se é possível manter. Temos de encontrar uma definição de preço muito acertada, um preço justo que corresponda à procura. Sim, será uma das casas mais caras à venda em Lisboa", destaca Aniceto Viegas.

No interior do edifício vão manter-se os frescos de Almada Negreiros, a porta giratória da entrada principal, a caixa do elevador e os revestimentos em mármore, entre outros elementos. No exterior mantêm-se os dois letreiros com o nome do diário e será recuperada a fachada original da Rua Rodrigues Sampaio.

Segundo Aniceto Viegas, o licenciamento do projeto foi "muito rigoroso", tendo a promotora respeitado as regras definidas pela Câmara Municipal de Lisboa e pela Direção Geral do Património Cultural para a transformação do edifício. "A solução discutida nos primeiros meses foi muito próxima à versão final", destaca.

O edifício foi inaugurado em 1940 e é da autoria do arquiteto Porfírio Pardal Monteiro, tendo vencido nesse ano o Prémio Valmor.

Notícia DN/Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.