Descongelamento garantido a quem está em mobilidade

Funcionários que não foram avaliados recebem um ponto por ano, e têm cinco dias úteis para contestar após serem notificados

Os funcionários públicos que se encontram em mobilidade (e a desempenhar temporariamente funções numa categoria ou carreira que não a sua) também estão abrangidos pelo descongelamento. O acréscimo remuneratório que daí resultar equivale ao que teriam direito na sua situação de origem.

Este esclarecimento integra uma recente atualização do documento elaborado pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público para apoiar os serviços na aplicação do descongelamento das carreiras, que começou a ser iniciado neste ano. Assim, quando está em causa uma mobilidade do trabalhador na mesma categoria, a remuneração a auferir nesta situação corresponde à que o trabalhador teria direito na origem, observando-se o faseamento previsto na Lei do Orçamento do Estado.

E o mesmo se passa quando a mobilidade é intercarreiras. Ou seja, também nestes casos "quando ocorra uma alteração na posição [remuneratória] de origem esta deve ser considerada para determinação da remuneração auferida na mobilidade", precisa o documento. E o faseamento tem igualmente de ser observado.

Caso o trabalhador tenha uma avaliação de desempenho quando se encontra nesta situação de mobilidade intercarreiras, os pontos que daqui resultarem relevam para as progressões na sua carreira de origem. A não ser que, entretanto, "consolide" (fique efetivo) nas novas funções. Garante-se assim que o funcionário que se encontre em funções numa carreira que não é originalmente a sua não perde a oportunidade de progredir. "Sem esta garantia", referiu ao DN/Dinheiro Vivo José Abraão, secretário-geral da Federação dos Sindicatos da Administração Pública (Fesap), "quando regressasse ficava no ponto em que estava quando saiu para a mobilidade".

Os efeitos do descongelamento já deviam ter começado a chegar ao bolso dos funcionários públicos que em janeiro tinham condições de progredir. Mas são muitos os que ainda não foram contemplados. José Abraão acredita que os atrasos se vão manter em fevereiro e afetem ainda cerca de metade dos que estão em condições de progredir. Há todavia a garantia de que o dinheiro em atraso será pago com retroativos a janeiro.

Para que o pagamento do acréscimo remuneratório possa verificar-se é necessário que os serviços notifiquem os trabalhadores dos pontos que têm na sequência das avaliações de desempenho - são necessários dez para progredir.

Os trabalhadores que no período do congelamento (2011 a 2017) não foram avaliados recebem um ponto por ano, mas a lei confere-lhes o direito de contestar esta solução e de pedirem a chamada "ponderação curricular". Este pedido tem de ser feito no prazo de cinco dias úteis após a comunicação dos pontos pelo órgão ou serviço.

Para José Abraão, continuam por responder as situações dos assistentes operacionais que, por terem visto a sua posição remuneratória ser absorvida pelo salário mínimo, terão um reforço salarial de cerca de 3,5 euros, por via do descongelamento. O valor é tão reduzido, que alguns serviços e autarquias se recusaram a observar o faseamento e estão a pagar o valor na totalidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.