Centeno prepara corte na despesa à custa da saúde e educação

A Comissão Europeia diz que o corte nas chamadas "gorduras" do Estado deve gerar uma poupança de 236 milhões de euros.

Metade da poupança prevista este ano por Mário Centeno na revisão da despesa será feita à custa da saúde e da educação. A conclusão é da Comissão Europeia que publicou esta quinta-feira o relatório da nona missão de avaliação pós-programa de ajustamento, que decorreu, em Lisboa, entre os dias 26 e 30 de novembro de 2018.

No documento divulgado ao final da tarde, Bruxelas refere que se "espera uma poupança de 236 milhões de euros no setor público em 2019. Cerca de metade do lado da saúde e da educação, enquanto as medidas no sistema de justiça, na administração interna, bem como o uso mais eficiente dos ativos públicos e o uso crescente de compras centralizadas devem contribuir com a outra metade." Ou seja, 118 milhões de euros resultam de poupanças na saúde e na educação.

A análise da Comissão Europeia (CE) tem por base ainda o esboço (draft) do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) enviado pelo governo ao executivo comunitário em outubro do ano passado.

Nesta avaliação, Bruxelas volta a alertar para a sustentabilidade financeira do sistema de saúde no curto-prazo, apesar de reconhecer "algumas melhorias ao longo de 2018". A CE sublinha os elevados níveis de dívidas em atraso que em outubro de 2018 "permaneciam em cerca de 850 milhões de euros."

A pressão da Função Pública

Na avaliação, a Comissão Europeia volta a alertar para os riscos de a despesa com pessoal furar as metas do governo. "O número de funcionários públicos e a massa salarial continuam a pressionar a despesa que pode ultrapassar os próprios objetivos orçamentais das autoridades", referem os técnicos de Bruxelas.

A CE lembra ainda que o programa de integração de precários, a extensão das 35 horas semanais ao setor da saúde com contratos individuais e o descongelamento das progressões que se "traduzem num aumento da despesa salarial em 2,6% em termos nominais em 2018."

Empregos pouco qualificados

No capítulo do mercado laboral, a Comissão Europeia refere que o "emprego pouco qualificado continua a aumentar entre as subidas do salário mínimo", lembrando que os sucessivos aumentos na retribuição mínima mensal deixam Portugal entre os países da União Europeia com uma diferença mais pequena entre o salário mínimo e mediano, conduzindo a uma compressão da distribuição salarial."

O relatório sublinha que o emprego pouco qualificado aumentou a uma taxa de quase três pontos percentuais no primeiro semestre de 2018.

Paulo Ribeiro Pinto é jornalista do Dinheiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.