O que se fez no turismo "pode ser aplicado com sucesso noutras políticas públicas"

O ex-secretário de Estado do Turismo foi considerado o melhor Gestor Público do ano, nos Amadeus Brighter Awards pelo estímulo à inovação no setor, aposta no marketing digital e novas formas de promoção do destino Portugal.

Venceu o prémio de gestor público do ano, onde concorria com Vítor Fraga (responsável pela liberalização do setor da aviação nos Açores) e o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira (pela promoção do Porto e Norte de Portugal nos mercados internacionais). De acordo com a organização, a sua nomeação deveu-se ao "estímulo à inovação no sector, aposta no marketing digital e novas formas de promoção do destino Portugal". O que significou esta vitória para si?

Defendi a liberalização do setor, a eliminação de barreiras à entrada, a simplificação da vida a quem quer fazer negócio, a rejeição do protecionismo, a despolitização da promoção, a adesão a novas fórmulas de comunicação, o foco na procura, a abertura ao digital. É bom saber que esse esforço foi bem recebido e reconhecido pelo setor. Estou confiante de que tudo isso pode ser aplicado com igual sucesso nas restantes políticas públicas.

Isso ajuda a explicar os resultados recorde do turismo?

Não consigo conceber que um membro do governo considere que os resultados de um setor se devem a si. Por isso me centrei na despolitização e liberalização e não na criação de políticas públicas. Não me cansarei de dizer isto, por muito polémico que possa ser: os resultados recorde são essencialmente do setor privado e, no que ao governo disser respeito, devem ser partilhados com os governos anteriores.

As alterações na promoção são políticas públicas...

E por isso insisti na sua despolitização, num contexto de libertação do setor, para o tornar mais competitivo. A liberdade resulta. Orgulho-me de ter recebido o país em vigésimo lugar no ranking mundial da competitividade, em queda constante, e de o ter deixado em décimo quinto, pela primeira vez a subir.

Podemos continuar a bater recordes? O que é essencial para isso?

Este é o tempo e o espaço do novo governo. Salvo algum motivo excecional, não tenciono pronunciar-me sobre as políticas públicas do setor que tutelei.

Partilhou o prémio com o Turismo de Portugal. Quais foram os principais contributos do TP para esta revolução no turismo nos últimos anos?

Se não fosse o TP, se não fosse a sua enorme capacidade de adaptação e aceitação da mudança, nada do que defendi teria saído do papel. Devo muito a todos os que lá trabalham.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)