Empresário árabe ameaça abandonar investimento de 1,2 milhões de euros em Portugal após ser burlado

Fares Nasser terá sido burlado por um cidadão, também acusado de fraude com donativos para a Ucrânia.

Um empresário árabe que planeava investir 1,2 milhões de euros no turismo em Santa Comba Dão revelou à Lusa que pondera abandonar o projeto após ser alegadamente burlado por um cidadão, também acusado de fraude com donativos para a Ucrânia.

A notícia de um investidor árabe que planeava investir mais de um milhão de euros no concelho, após comprar uma quinta para futuro turismo rural, foi bem recebida na região.

O empresário Fares Nasser adquiriu a Quinta Nova do Soutal, com o objetivo de a transformar numa unidade turística, como contou à agência Lusa, através do seu representante legal em Portugal.

A compra deu-se em 2019, depois de outros investimentos, nomeadamente em Góis, distrito de Coimbra.

No ano passado, para o projeto avançar, procurou um caseiro, uma pessoa que cuidasse da quinta e realizasse alguns trabalhos, não apenas no imóvel, como também no jardim, e acabou por aceitar a oferta de Rui de Sousa, com quem nunca chegou a fazer um contrato.

Este indivíduo pediu-lhe mais tarde para morar num dos imóveis da quinta, com a mulher e um filho, o que o empresário, residente em Omã, aceitou.

Trata-se de um casal que está a ser investigado pelas autoridades portuguesas após acusações de pessoas que o acusa de burla com donativos para ajudar pessoas e animais na Ucrânia.

Fares Nasser afirma que avançou várias quantias de dinheiro, esperando em troca a realização de trabalhos e a respetiva aquisição de materiais, mas foi sabendo por várias pessoas da região que afinal o trabalho não estava a ser feito, nem o material, para o qual pedia dinheiro, estava a ser adquirido.

"Existia um grande desencontro entre o que ele dizia que fazia e o que aparecia feito", adiantou o empresário.

Ao mesmo tempo, o empresário foi sabendo que Rui de Sousa cortara várias árvores, para alegadamente vender a madeira, o que terá feito sem autorização e apropriando-se do montante da madeira.

Confrontado com a situação, recusou sempre dar qualquer explicação e o caso piorou quando o empresário alegou que não tinha confiança para manter a relação profissional, contou Nasser.

Rui de Sousa não aceitou e, em finais de 2021/22, recusou-se a sair de casa, alegando que não tinha para onde ir.

Seguiu-se um período de acesas trocas de mensagens entre o empresário, o advogado e Rui de Sousa, até que este teve mesmo de sair, embora tenha alegadamente levado consigo vários bens entretanto adquiridos por Fares Nasser e deixado a casa bastante destruída, sem torneiras, portas, janelas, móveis, entre outros bens.

Antes disso, e após o proprietário da quinta ter ordenado a suspensão do abastecimento de água e luz, terá realizado ligações ilegais e ativado indevidamente os contratos.

O empresário apresentou uma queixa nas autoridades, correndo atualmente um processo-inquérito no DIAP - Secção de Santa Comba Dão, por furto de bens.

O caso levou o empresário a ponderar desistir de investir em Portugal, principalmente após constatar a "inoperação das autoridades" e a dificuldade em alguém fazer o que quer que fosse, mesmo perante a ocupação indevida da casa e o roubo de bens, a que várias pessoas terão assistido.

Fares Nasser pondera vender a quinta pelo valor que comprou e ir investir os 1,2 milhões de euros em outra região.

A Lusa tentou, sem sucesso, ouvir Rui de Sousa, bem como o presidente da Câmara Municipal de Santa Comba Dão, município onde o investimento ia ser realizado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG