CGTP avisa Governo de que as promessas são para cumprir

"Contem connosco para isto andar para a frente, não contem connosco para isto continuar tudo na mesma", frisou o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse hoje num desfile de trabalhadores em Lisboa que o Governo tem de cumprir o prometido, referindo-se diretamente ao processo legislativo sobre a reposição das 35 horas de trabalho.

"Aos que dizem que não podem recolocar as 35 horas nós dizemos que as promessas têm de ser cumpridas e que a palavra tem de ser honrada. O limite máximo para a aplicação do horário semanal para os trabalhadores da administração central, regional e local seria o dia 01 de julho. Agora não nos venham dizer que isto traz problemas", afirmou Arménio Carlos durante um discurso perante centenas de trabalhadores concentrados em frente à sede do Conselho de Ministros, em Lisboa.

Para o secretário-geral da CGTP, "a questão das 35 horas é central" e, por isso, sublinhou ser necessária uma lei que reponha definitivamente o horário, "sem negociações", para a administração central e administração local.

"O processo está na Assembleia da República e a votação final é no dia 27 [maio] e, por isso, vamos lá honrar a palavra, vamos lá credibilizar os políticos e vamos lá reforçar a democracia e, já agora, votar no dia 27 a reposição das 35 horas para todos os trabalhadores", afirmou Arménio Carlos.

Durante o discurso, o secretário-geral da CGTP disse várias vezes que a central sindical está disposta a negociar em nome dos trabalhadores, mas ao mesmo tempo avisou que o Governo pode contar com oposição se "porventura pensar sequer" em dar continuidade à política de desequilíbrio e das desigualdades.

"Contem connosco para isto andar para a frente, não contem connosco para isto continuar tudo na mesma", frisou, sublinhando que a CGTP jamais irá pactuar com qualquer lei ou medida que ponha em causa os direitos dos trabalhadores.

"Preferimos ficar sozinhos com o apoio dos trabalhadores do que ficar acompanhados pelo capital a legislar e a assinar acordos contra os trabalhadores", avisou o secretário-geral da CGTP.

Arménio Carlos acrescentou que o Governo não pode "fazer de conta" quando confrontado com situações que, afirma, ocorrem na administração central e particularmente na administração local, referindo-se aos postos de trabalho permanentes ocupados por desempregados "que são, ao fim de um ano, renovados e substituídos por outros".

"Não estamos no contra, nós estamos aqui porque os trabalhadores da administração local saíram à rua para dizerem que é preciso uma resposta: estamos a falar de trabalhadores que, desde 2009, não vêm qualquer atualização do salário e que desde 2006 não vêm correspondidas as evoluções das carreiras profissionais e que continuam a não ver reposto o subsídio de Natal de uma única vez no mês de novembro", acrescentou.

Arménio Carlos participou num desfile de trabalhadores da administração local entre a zona da Estrela até à Presidência do Conselho de Ministros, na Rua Professor Gomes Teixeira, na zona de Campo de Ourique, Lisboa, onde foi entregue uma resolução dos trabalhadores.

No desfile participam centenas de pessoas do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e Afins (STAL) e do Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa (STML).

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...