Mais um feito para Roger Federer: o 100.º título ATP

Tenista suíço reforça argumentos para o debate sobre o melhor de sempre, ao chegar no Dubai ao 100.º título na carreira

Aos 37 anos, Roger Federer venceu na final do torneio no Dubai um dos nomes mais promissores da nova geração, o grego Stefano Tsitsipas, por 6-4 e 6-4, reforçando assim a lenda daquele que é indiscutivelmente um dos maiores nomes (se não o maior) da história da modalidade.

O suíço, que ganhou o seu primeiro torneio em fevereiro de 2001, em Milão, quando Tsitsipas não tinha ainda sequer três anos, chegou este sábado ao centésimo título ATP na carreira, entrando para um clube elitista que só conhece mais um membro, na Era Open do ténis (desde 1968): trata-se do norte-americano Jimmy Connors, que ganhou 109 torneios de singulares entre 1979 e 1996.

Atual sétimo classificado no 'ranking' mundial, Federer vingou a eliminação nos oitavos de final do Open da Austrália, em janeiro, frente ao grego, 11.º da hierarquia, num encontro que teve a duração de uma hora e 11 minutos.

Federer, recorde-se, é o recordista de títulos do Grand Slam [conjunto dos quatro principais torneios: Wimbledon, Roland-Garrros, Open da Austrália e Open dos EUA], com 20, e detém uma extensa lista de outros recordes no circuito masculino, como o número de semanas como n.1 mundial: 237.

Em termos de partidas ganhas, o suíço também só perde ainda para Jimmy Connors: 1180 para 1256.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.