Belgica elimina Brasil e está nas meias-finais

Acabou o sonho brasileiro. Tudo começou com um autogolo de Fernandinho e um remate de De Bruyne. De nada valeu o golo de Renato Augusto

O Brasil está fora do Mundial 2018. Depois de ter caído com estrondo (7-1 com a Alemanha) há quatro anos no torneio que organizou, agora não conseguiu impor o seu favoritismo e foi derrotado, em Kazan, pela Bélgica por 1-2. Terminou o sonho do hexa e com ele fica a certeza de que o próximo campeão do mundo será europeu.

A Bélgica está nas meias-finais pela segunda vez na sua história e na terça-feira, às 19.00 horas, em Saint Perersburgo, vai tentar diante da França alcançar pela primeira vez a final de um Mundial.

Os belgas entraram em campo com a lição bem estudada, com uma organização defensiva que bloqueou a criatividade do Brasil, que jogou de forma demasiado lenta. Na frente, a seleção de Roberto Martínez colocava constantemente a defesa contrária em sobressalto com o talento de Eden Hazard, Lukaku e Kevin De Bruyne.

No entanto, foi através de um autogolo de Fernandinho que a Bélgica se colocou em vantagem, o médio brasileiro atrapalhou-se ao tentar aliviar um canto cobrado por Chadli e traiu Alisson. Estavam apenas decorridos 13 minutos, mas a verdade é que até ao intervalo os belgas continuaram a ser mais perigosos, sobretudo em contra-ataque. Não estranhou pois que aos 31 minutos, após uma arrancada que deixou vários brasileiros, Lukaku descobrisse De Bruyne, que com um remate cruzado fez o segundo golo.

No segundo tempo, Tite, o selecionador brasileiro, tentou tudo para dar a volta ao resultado, mas foi apenas com a entrada de Douglas Costa aos 58 minutos, que os canarinhos passaram a ter mais velocidade e, consequentemente, a ser mais perigosos. Só que sobressaiu então o guarda-redes Courtois que só não conseguiu parar um cabeceamento de Renato Augusto, após um passe fantástico de Neymar, que a partir do meio da segunda parte começou a jogar ao seu nível.

Aliás, Neymar ficou muito perto do empate quando nos instantes finais rematou forte ao ângulo, mas viu Courtois voar para a bola, desviando-a com a ponta dos dedos. Com o apito final do árbitro, a esperança canarinha deu lugar às lágrimas dentro e fora do relvado, que contrastava com a festa dos belgas, que agora terão pela frente os vizinhos franceses.

Jogos e resultados do dia:

Uruguai - França (0-2)

Brasil - Bélgica (1-2)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.