Pinto da Costa disse a Brahimi que não o vai deixar sair

Ao que o DN apurou o argelino recebeu convites tentadores por parte de clubes dispostos a negociar com o FC Porto mas o presidente portista travou todas as investidas tendo comunicado a sua decisão ao extremo, que termina contrato dentro de menos de um ano

Yacine Brahimi não vai deixar o FC Porto nesta janela de mercado, apesar de estar a menos de um ano do fim do contrato que o liga aos dragões. O DN sabe que surgiram convites tentadores por parte de clubes dispostos a negociar com o campeão nacional e também com capacidade para oferecer um salário superior ao que o extremo aufere no Dragão.

Brahimi, ao que o DN apurou, mostrou-se entusiasmado com algumas propostas recebidas e estava com vontade de embarcar numa nova aventura mas Pinto da Costa teve uma conversa com o argelino e comunicou-lhe que a menos que seja batida a cláusula de rescisão, no valor de 60 milhões de euros, o FC Porto não dará luz verde à sua saída. Para esta tomada de posição contribui também o facto de Sérgio Conceição considerar o extremo uma peça nuclear para que o FC Porto consiga atingir os seus objetivos desportivos.

Esta é uma decisão de risco por parte do FC Porto pois Brahimi termina contrato em junho de 2019 e no próximo mês de janeiro pode comprometer-se com outro clube tendo em vista a próxima temporada. E se isso acontecer, o FC Porto perde Brahimi a custo zero.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.