Pablo Escobar quis matar o atual selecionador do Peru

O famoso narcotraficante chegou a pensar colocar uma bomba no carro de Ricardo Gareca, que nos anos de 1980 representou o América Cali

O narcotraficante colombiano Pablo Escobar tentou matar Ricardo Gareca, o atual selecionador do Peru e antigo avançado internacional argentino que nos anos de 1980 jogou no América Cali, da Colômbia.

A revelação foi feita por John Jairo Velásquez, sicário de Escobar que era conhecido como Popeye, em entrevista publicada no jornal peruano El Popular. "Ricardo Gareca esteve sempre na mira de Pablo Escobar, mas acabaram por não chegar a ele. O amor do Patrón [nome pelo qual era tratado o famoso narcotraficante] pelo futebol salvou Gareca, pois chegou a pensar colocar uma bomba no carro dele e de outros jogadores do América Cali, depois de o Cartel de Cali ter colocado uma bomba no carro da família de Pablo", revelou Velásquez.

Popeye recordou ainda que Escobar ordenou também" vários sequestros de jogadores do América Cali para que entregassem os líderes do Cartel de Cali", seus rivais no negócio do tráfico de droga. "E como os jogadores não colaboraram mataram a família de Pedro Enrique Sarmiento, que é atualmente um treinador de sucesso, que na altura não cooperou com Pablo Escobar", acrescentou. Sarmiento era na altura jogador do América.

Gareca representou o América entre 1985 e 1988, numa altura em que os cartéis da droga controlavam o futebol colombiano. "Pablo Ecobar era adepto do Independiente de Medellin", clube da cidade onde operava o seu cartel. Popeye conta mesmo que a máfia da droga "fez muito mal ao futebol colombiano", pois Escobar controlava o Independiente, o seu sócio Gonzalo Rodríguez Gacha detinha o Millionarios e os irmãos Gaviria detinha o América Cali.

Pablo Escobar foi considerado o senhor da droga colombiano, tendo-se tornado um dos homens mais ricos do mundo graças à exploração da rota da cocaína para os Estados Unidos. Acabou por morrer em dezembro de 1993 numa operação de captura conduzida pelo Bloco de Busca, das operações especiais da Polícia Nacional da Colômbia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.