Nelson Évora, primeiro o Mundo e depois a Europa

O atleta português Nelson Évora sagrou-se este domingo campeão Europeu de triplo salto, completando o ramalhete universal ao ar livre: Olímpicos (2008), Mundiais (2007) e agora Europeus. Salto de 17,10 metros valeu ouro em Berlim

Nelson Évora conseguiu a 12.ª medalha da carreira em torneios internacionais, a 7.ª de ouro, ao vencer o triplo salto nos Europeus de Berlim com um salto de 17,10 metros, superando a melhor marca pessoal do ano (17,05m), que era a terceira da Europa atrás da de Pedro Pichardo, o cubano que adquiriu nacionalidade portuguesa no final do ano (mais ainda não pôde representar a seleção) e de Alexis Copello (17,24m), o cubano que compete pelo Azerbaijão desde 2017.

Copello era apontado como o favorito para o concurso dos Europeus de Berlim, mas não passou os 16,93m e teve de se contentar com a prata. No último lugar do pódio ficou o grego Dimitris Tsiámis, com 16,78m, apenas mais dois centímetros do que Nazim Babayev, do Azerbaijão.

Évora foi em crescendo na final, conseguindo o melhor salto na quinta e penúltima tentativa. Na primeira e na última, teve saltos nulos. Fez 16,55m no segundo salto, 16,86m no terceiro e 16,87m no quarto, antes de voar para o ouro.

Aos 34 anos, é a confirmação do regresso aos maiores do Mundo. Entre 2010 e 2014, viveu um calvário de lesões que começou com a tíbia direita a acusar o esforço e impacto próprios desta disciplina do atletismo. O ano crítico foi o de 2012, em que foi operado três das cinco vezes (devido a três lesõoes) e, devido a uma infeção causada pelos ferros de amparo à correção do problema físico, esteve quase a ficar sem um perna.

Há dez anos, estava no topo. Sagrava-se campeão olímpico em Pequim (ano em que se estreou a ganhar em pista coberta: campeão Mundial em Valência), um ano depois de ter sido campeão do Mundo em Osaka, sempre ao ar livre. Nos Mundiais, ainda juntou ao currículo a prata em 2009 (Berlim) e o ouro em duas Universíadas (organizada pela Federação Internacional do Desporto Universitário).

Ultrapassada a onda de problemas físicos, Évora voltou lentamente a moldar uma carreira de nível universal. Ouro nos Europeus de pista coberta e bronze nos Mundiais de ar livre em 2015.

Em 2016, opera uma reviravolta na carreira. Deixa o treinador que o acompanhava desde a infância, João Ganço, e começa a ser treinado pela lenda do salto em comprimento, o cubano Ivan Pedroso (entre 1993 e 2001 foi a referência mundial, sendo campeão olímpico em Sydney 2000, além de tetracampeão ao ar livre e pentacampeão em pista coberta). Foram dias agitados em outubro de 2016, mês em que deixa o Benfica (1996-2016, com um interregno de dois anos, 2002 e 2003, no FC Porto) e se muda para o rival Sporting.

A mudança significou que Nelson Évora fosse viver e treinar para a zona de Madrid, orientado por Pedroso. "Agora, tenho um grupo de treino em que são todos Ferraris. Nenhum dos meus colegas de treino é um atleta mediano, são todos atletas com capacidade para fazer coisas incríveis todos os dias", disse na altura.

E a verdade é que 2017 demonstrou o acerto nas mudanças que efetuou na carreira. Salta para o ouro nos Europeus de pista coberta e para o bronze nos Mundiais de ar livre. E este ano já tinha conseguido o bronze nos Mundiais de pista coberta.

Depois do Mundo (Olímpicos e Mundiais de ar livre em 2008), dez anos depois o atleta nascido a 26 de abril de 1984 na Costa do Marfim, para onde tinham ido trabalhar os pais cabo-verdianos (veio para Portugal aos cinco anos e pouco depois conheceu a família Ganço através de Davide, filho de João, vizinho de prédio), conquistou finalmente o Europeu de ar livre.

Era o título que lhe faltava, mas há ainda os Jogos Olímpicos de Tóquio para tentar repetir o título de há dez anos e, sobretudo, um objetivo que definiu nesta nova fase da carreira: bater o recorde nacional do triplo salto. Que, quando o prometeu, era dele (Osaka 2007) e estava em 17,74m, mas é hoje de 17,95m, estabelecido pela nova estrela da disciplina em Portugal: o luso-cubano Pedro Pichardo conseguiu esta marca na Liga Diamante, em maio, no Qatar.

Para já, fecha a ouro uns Europeus que abriram com ouro: Inês Henriques conquistou a primeira prova de 50km marcha de uns Europeus, depois de já ter conseguido vencer a primeira corrida desta distância nos Mundiais 2017.

"Ouro em Tóquio"

"O objetivo é chegar a Tóquio na melhor forma possível e lutar pelo ouro", disse depois do sucesso em Berlim o triplosaltista português. Se há desafios, foram feitos para Nelson Évora, um especialista em superação pessoal.

"Foi uma prova bastante difícil mas tive de jogar com experiência. O pódio pode falar por si, foram os atletas mais velhos que conquistaram as medalhas", observou o atleta de 34 anos.

E finalizou: "Há atletas que arriscam demasiado nos campeonatos mas aqui é para se ganhar e foi o que eu fiz".

Medalhas: 7 de ouro em 12

Jogos Olímpicos

Ouro, Pequim 2008

Mundiais

Ouro, Osaka 2007

Prata Berlim 2009

Bronze, Pequim 2015

Bronze, Londres 2017

Mundiais pista coberta

Bronze, Valência 2008

Bronze, Birmingham 2018

Europeus

Ouro, Berlim 2018

Europeus pista coberta

Ouro, Praga 2015

Ouro, Belgrado 2017

Universíadas

Ouro, Belgrado 2009

Ouro, Shenzen 2011

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

As culpas de Sánchez no crescimento do Vox

resultado eleitoral do Vox, um partido por muitos classificado como de extrema-direita, foi amplamente noticiado em Portugal: de repente, na Andaluzia, a mais socialista das comunidades autónomas, apareceu meio milhão de fascistas. É normal o destaque dado aos resultados dessas eleições, até pelo que têm de inédito. Pela primeira vez a esquerda perdeu a maioria e os socialistas não formarão governo. Nem quando surgiu o escândalo ERE, envolvendo socialistas em corrupção, isso sucedera.

Premium

João Taborda da Gama

Nunca é só isso

Estou meses sem ir a Coimbra e numa semana fui duas vezes a Coimbra. Até parece uma anedota que havia, muito ordinária, que acabava numa carruagem de comboio com um senhor a dizer vamos todos para Coimbra, vamos todos para Coimbra, mas também não me lembro bem e não é o melhor sítio para a contar mesmo que me lembrasse. Dizia que fui duas vezes a Coimbra numa semana, e das duas encontrei pessoas conhecidas de que não estava à espera, no comboio, no café, na rua. Duas coisas que acontecem cada vez menos, as pessoas contarem anedotas umas às outras, muito menos ordinárias, que não se pode, e encontrarem-se por acaso, que não acontece. E não se encontram por acaso, porque mais dificilmente se desencontram. Para encontrar é preciso desencontrar, e quando o contacto é constante, quando a aparência de acompanhamento da vida do outro rodeia tudo o que fazemos, é difícil sentir o desencontro.

Premium

Ruy Castro

Uma multidão de corruptos injusta e pessoalmente perseguidos

Nenhum agente público no Brasil, nem mesmo o presidente da República, pode ganhar acima de 33 mil reais por mês. Isso equivale a pouco mais de oito mil euros - o que, para as responsabilidades de certas funções, pode ser considerado um salário modesto. Mas você ficaria surpreso ao ver como, no Brasil, esse valor ganha uma extraordinária elasticidade e consegue adquirir coisas que, em outros países, custariam muito mais dinheiro. Com ele, nossos políticos compram, por exemplo, redes inteiras de estações de rádio e televisão, prédios de 20 ou mais andares em regiões de proteção ambiental e edificação proibida e extensões de terra maiores do que a área de certos países europeus. É um fenómeno. Mais surpreendente ainda foi o que descobrimos esta semana. O governador do estado do Rio - cuja capital é a infeliz cidade do Rio de Janeiro -, Luiz Fernando Pezão, fez apenas 11 saques em suas contas bancárias de 2007 a 2014. Alguns desses saques eram no valor de três euros, o que lhe permitiria comprar no máximo um saco de pipocas, e nenhum acima de oitocentos euros. Por mais que Pezão pareça um sujeito humilde e desapegado, como se pode viver com tão pouco? Talvez tivesse dinheiro em espécie acumulado em algum lugar - quem sabe um cofre em sua casa ou mesmo o seu próprio colchão -, do qual fosse retirando apenas o suficiente para seus alfinetes. Não por acaso, a Polícia Federal prendeu-o na semana passada, acusando-o de ter recebido o equivalente a dez milhões de euros de propina, naquele período em que ele era vice-governador do então titular Sérgio Cabral - que, por sua vez, está condenado por enquanto a 197 anos de prisão por corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Cabral é acusado também de ter cerca de 85 milhões de euros em depósitos fora do Brasil. Onde estarão os milhões de Pezão? E Michel Temer, dentro de 20 dias a contar de hoje, deixará de ser presidente do Brasil. No dia 1 de janeiro, uma terça-feira, passará a faixa presidencial a seu sucessor e perderá a imunidade que o impede de ser condenado por atividades ilícitas anteriores ao seu mandato. É quase certo que, já no dia seguinte, agentes da Polícia Federal baterão à sua porta em São Paulo, para levá-lo a explicar-se sobre as atividades ilícitas praticadas antes e durante o mandato. Explicações que ele terá dificuldade para dar, já que os investigadores parecem ter provas robustas de suas trampolinagens. E não se pense que tudo nessa turma se refere a milhões - uma inocente obra de reparos na casa de uma filha de Temer em São Paulo, "oferecida" por um empresário, indica um gesto de gratidão desse empresário por certa obra de vulto em que Temer, como presidente, o favoreceu. Nem toda a corrupção tem o dinheiro como fim. Ele pode ser também um meio - para se chegar ao mesmo fim. No caso do Brasil, foi o que prevaleceu nos últimos 15 anos: o desvio de dinheiro público para a manutenção do poder político, eternizando o desvio de dinheiro público. É uma equação diabólica, principalmente se maquiada de uma tintura ideológica - práticas de direita com um discurso de esquerda. E não se pense também que isso envolveu apenas os políticos. A Operação Lava-Jato, que está botando para fora os podres do país, condenou até agora 65 pessoas à prisão, das quais somente 13 políticos, num total de quase duzentas em fase de investigação ou já denunciadas. Entre estas, contam-se doleiros, operadores de câmbio, publicitários, lobistas, pecuaristas, irmãos, cunhados, ex-mulheres e "amigos" de políticos e carregadores de malas de dinheiro, além de funcionários, gerentes de serviço, executivos, tesoureiros, diretores, sócios-proprietários e presidentes de grandes empresas. Entre os presos ou investigados, estão também um ex-presidente da Câmara dos Deputados, um ex-presidente do Senado, vários ex-ministros de Estado (dos quais três ex-ministros da Fazenda), três ex-tesoureiros do Partido dos Trabalhadores, meia dúzia de altos funcionários da Petrobras, o ex-presidente do banco de desenvolvimento nacional, seis ex-governadores estaduais, os presidentes das quatro maiores empresas de construção civil do Brasil e quatro ex-presidentes da República. Um deles, Luiz Inácio Lula da Silva. Portanto, quando lhe falarem que o querido Lula está sofrendo uma perseguição pessoal e injusta, pense nos citados acima, tão injusta e pessoalmente perseguidos quanto ele.

Premium

Marisa Matias

O Christian, a Rosa e a rua

Quero falar-vos do Christian Georgescu, uma daquelas pessoas que a vida nos dá o privilégio de conhecer. Falo-vos com nome e apelido porque a história dele é pública. Nasceu em Bucareste, na Roménia, tem 40 anos e encontrou casa no Porto. Trabalhou desde cedo até que um dia lhe faltou comida na mesa. A crise no início dos anos 2000 e a necessidade de dar de comer à filha fizeram que decidisse entrar num mundo paralelo. A juntar a isso, começou a consumir drogas e foi preso. Quando saiu percebeu que tinha de ir para longe para mudar e veio para o Porto.