Madeira Rodrigues revelou sheikh com 120 milhões de euros para investir no Sporting

Sheik Badr Al-Samah, investidor, natural do Kuwait, que opera sobretudo na área do petróleo, encara o clube de Alvalade como "um negócio para ganhar e não uma obra de ação social".

Pedro Madeira Rodrigues assinou esta sexta-feira um acordo com o sheik Badr Al-Samah, que se compromete a investir 120 milhões de euros n o Sporting. O candidato à presidência do Sporting apresentou publicamente o investidor, natural do Kuwait, depois de assumir conversações com outros representantes também do Médio Oriente, e deixou a promessa de que a entrada em cena deste investidor não coloca em risco o controlo da SAD no futuro.

"O Sporting precisa deste apoio. Iremos ao mercado em novembro fazer um empréstimo de 60 milhões de euros e depois em abril ou maio outros 60 milhões. Explicámos o projeto, um projeto que vai ser sustentável financeiramente no futuro. Olha para o futuro e também vê o passado: 112 anos de história. O Sporting é uma marca muito apetecível", disse o gestor, de 47 anos.

Com uma faturação anual na ordem dos 1,5 mil milhões de dólares, o grupo liderado por Badr Al-Samah, que opera sobretudo na área do petróleo, encara o clube de Alvalade como "um negócio para ganhar e não uma obra de ação social".

"Confiamos na marca Sporting e neste projeto. Não é nossa intenção sermos proprietários do Sporting. Confiamos na candidatura de Pedro Madeira Rodrigues e entrar no projeto do Sporting é uma boa oportunidade. Estamos aqui para fazer uma parceria a longo prazo e vamos trabalhar de perto com a administração", afirmou o sheikh.

Pedro Madeira Rodrigues esclareceu também ter informado o investidor da atual situação do clube, ainda que "sem entrar em pormenores" e que isso não preocupou o sheikh.

"Só arrancámos para esta eleição tendo a certeza de uma solução financeira imediata para o clube. A situação de tesouraria não é famosa e temos também o interesse em comprar as VMOC [valores mobiliários obrigatoriamente convertíveis] e ficar com quase 90% do capital da SAD. Vamos ao mercado com uma garantia", declarou.

Já o vice-presidente para as Finanças e Relações Internacionais da lista de Madeira Rodrigues, Imran Mhomed, agradeceu o apoio do investidor árabe: "O Sporting é um grande clube e esta candidatura já fez grandes esforços. Temos parcerias com investidores e grupos da Arábia Saudita, Kuwait, Omã e Emirados Árabes Unidos. Vamos internacionalizar a marca do Sporting de uma forma profissional. Com esta parceria, vamos ser um clube de referência no Médio Oriente. Vamos ter uma equipa no próximo ano capaz de fazer frente às melhores da Europa."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."