Madeira Rodrigues abdica a favor de Ricciardi

Candidatos chegaram a acordo durante a madrugada desta terça-feira, depois de um jantar entre os dois. Terão chegado a consensos relativamente à composição da SAD e da estrutura do futebol

Pedro Madeira Rodrigues abdicou da candidatura à presidência do Sporting a favor de José Maria Ricciardi. O acordo foi firmado durante a madrugada desta terça-feira, sabe o DN, depois de um jantar entre os dois candidatos.

Segundo as informaçõs recolhidas pelo DN durante a tarde desta segunda-feira que já existia acordo em relação a algumas matérias, mas que o pacto não se encontrava concluído. Em causa estava, por exemplo a possibilidade de Ricciardi deixar cair José Eduardo, o homem que escolheu para liderar o futebol caso vencesse as eleições. No entanto, o próprio José Maria Ricciardi desmentiu ao DN tal possibilidade. "Não há cedências nenhumas, sobretudo aquelas que são cruciais na minha candidatura. Não tenho razões para deixar cair José Eduardo", referiu.

Ricciardi, contudo, não negou que possa existir um acordo com Madeira Rodrigues ou até mesmo com outras candidaturas: "Estou aberto a podermos agregar outras candidaturas que não terão chances de ganhar. Pedro Madeira Rodrigues é um grande sportinguista e estou aberto a recebê-lo se ele assim o entender, assim como a outras candidaturas. Mas não sei se será possível. Não excluo ninguém, mas sempre comigo a presidente. Se existirem novidades será a brevíssimo prazo. Mas neste momento não posso adiantar mais nada."

A composição da Sociedade Anónima Desportiva (SAD) e da estrutura do futebol eram algumas das matérias em que os dois candidatos procuravam chegar a consensos.

O anúncio oficial deverá ser feito na tarde desta terça-feira ou, o mais tardar, quarta-feira de manhã. No entanto, Madeira Rodrigues já confirmou a desistência à TSF: "Juntámos forças."

Também esta segunda-feira, Madeira Rodrigues deu um passo atrás em relação à contratação de Claudio Ranieri para treinador da equipa principal de futebol, admitindo que José Peseiro pode ser a solução imediata.

Por outro lado, fonte da candidatura de Rui Jorge Rego coloca de parte a possibilidade de abdicar da ida às urnas, garantindo que vai levar o seu projeto aos sócios, embora tenha admitido que houve conversas com Ricciardi em que o advogado apresentou o seu projeto para o Sporting ao banqueiro. Rui Jorge Rego vai inclusivamente apresentar esta terça-feira (12.30) o seu projeto para o futebol dos leões e para a internacionalização na companhia dos parceiros financeiros.

Também Fernando Pereira Tavares garantiu ao DN que vai levar a sua candidatura até ao dia das eleições - próximo sábado, dia 8 - recusando assim a possibilidade de desistir e apoiar um outro candidato.

"Sou um homem de palavra. Vou até ao fim. Disse que seria candidato quando tivesse disponibilidade e fui. Agora não desisto. Se alguém se juntar a mim será bem vindo. Posso dizer que ontem [esta segunda-feira] fui contactado por três candidaturas para me juntar a ele e disse isso mesmo a todos", adiantou Fernando Pereira Tavares.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.