Lisboa retira apoio e Portugal desiste de Euro de natação em 2021

Seria, provavelmente, o maior evento da Lisboa, Capital Europeia do Desporto 2021, mas a falta de apoio levou a Federação Portuguesa de Natação a desistir da organização. Câmara diz que foi surpreendida com "um aumento do orçamento para 4.500.000 euros".

A retirada de apoio da Câmara Municipal de Lisboa ao Campeonato da Europa de Natação de piscina curta previsto para 2021 levou a Federação Portuguesa de Natação a desistir de organizar o evento que seria o ponto alto da Capital Europeia do Desporto e que traria à capital durante uma semana cerca de 800 nadadores em representação de 52 países.

A decisão da autarquia foi comunicada no passado dia 18 à FPN que no sábado [dia 23] a anunciou durante uma assembleia-geral da modalidade que teve lugar em Viana do Castelo. Na sequência, as associações territoriais votaram pela desistência da organização do evento, o que já foi comunicado à Liga Europeia de Natação.

Após ter sido contacta pelo DN a autarquia emitiu um comunicado onde explica que manifestou o apoio ao evento através de uma Carta de Conforto concedida "nos idênticos moldes que a autarquia faz parra as diferentes entidades que apresentam candidaturas desta natureza. Nessas mesmas missivas, a cidade de Lisboa manifesta a importância desses eventos, mas sem qualquer compromisso de ordem financeira".

No documento divulgado pelo departamento de comunicação, acrescenta-se que "infelizmente, durante este processo fomos surpreendidos com uma aumento do orçamento para 4.500.000 euros". Perante este cenário, refere: "A ambição que temos para 2021, em que seremos Capital Europeia do Desporto, não pode pôr em causa todos os projetos desportivos que colocam Lisboa como uma cidade de referência mundial no plano desportivo".

Contactada pelo DN, a FPN respondeu por email que optou por "renunciar à organização do Campeonato da Europa de piscina curta, previsto para a capital portuguesa em 2021, após a recente e inesperada decisão da Câmara Municipal de Lisboa em não confirmar as condições inicialmente assumidas por esta entidade, aquando da candidatura ao evento por Lisboa, Capital Europeia de Desporto".

O organismo liderado por António Silva frisa que a decisão foi tomada de forma "unânime [pela] direção no dia 22 de março de 2019, ratificada ainda unanimemente pelas Associações Territoriais, em reunião de dia 23 de março de 2019 e pela Assembleia Geral da FPN em reunião na mesma data". No documento enviado ao DN a federação sublinha que com esta recusa visa não comprometer "a viabilidade da qualidade organizativa do evento e o futuro da natação nacional" e que comunicou "à LEN (Liga Europeia de Natação) a desistência desta organização".

A competição que foi atribuída a Portugal em agosto do ano passado iria ter lugar no Altice Arena (Parque das Nações), onde estava previsto serem instaladas duas piscinas de 25 metros cada. Na altura o presidente da Liga Europeia de Natação, Paolo Borelli, afirmou que na LEN estavam "muito felizes e orgulhosos que a natação de grande nível voltasse a Portugal. Lisboa é uma grande cidade e o local proposto garante que iremos assistir a outro excelente evento de piscina curta em dezembro de 2021".

Candidatura com apoio do governo e da câmara

A ideia de organizar em Lisboa - aproveitando o facto de ter sido nomeada a Capital Europeia do Desporto em 2021 - começou a ser falada no início de 2018, tendo uma das primeiras reuniões entre a autarquia e a federação acontecido há cerca de um ano (em abril de 2018) com a presença do então vereador Duarte Cordeiro.

Quando foi apresentada pela FPN a candidatura estava apoiada no apoio expresso pela câmara e pelo Instituto Português do Desporto e da Juventude, tendo o próprio secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, assumido o apoio do governo ao projeto durante um seminário organizado pela federação que ocorreu em janeiro em Carcavelos.

Pelo meio chegou mesmo a realizar-se uma reunião com a empresa Myrtha, especializada na montagem de piscinas para se começar a trabalhar no projeto de montagem das duas infraestruturas no pavilhão.

Certo é que nada vai avançar pois no dia 18 a câmara liderada por Fernando Medina comunicou que não iria avançar com qualquer apoio.

[atualizada às 07.10 com a explicação da Câmara Municipal de Lisboa]

Ler mais

Exclusivos