Ex-campeão mundial de 400 metros barreiras morre aos 28 anos

O queniano Nicholas Bett, campeão mundial dos 400 metros barreiras em 2015, em Pequim, morreu esta quarta-feira na sequência de um acidente de viação na região de Nandi, no Quénia.

A informação foi avançada pela polícia local e pela família do atleta, de 28 anos, explicando que o automóvel de Bett se despistou e acabou por capotar.

O atleta fez história nos Mundiais de 2015, em Pequim, ao tornar-se o primeiro queniano a ganhar um título internacional em distância inferior a 800 metros, numa carreira em que foi também duas vezes medalha de bronze nos campeonatos africanos.

A Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) já reagiu à morte de Bett, com "tristeza profunda e comoção", lembrando que o atleta foi "uma das maiores surpresas dos Mundiais de Pequim, quando ganhou o ouro, com recorde queniano de 47,49 segundos, então a melhor marca mundial de 2015".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.