A Croácia perdeu o mundial, mas a presidente do país apaixonou o mundo

Para apoiar a sua equipa, Kolinda Grabar-Kitarovic viajou em económica e pagou os bilhetes do seu bolso. É já apontada como um exemplo a seguir

Kolinda Grabar-Kitarovic tem 50 anos, é loira e bonita, e a primeira mulher a assumir o cargo de presidente da Croácia. Para além disso, é uma adepta fervorosa de futebol, tendo acompanhado in loco todo o percurso da seleção do seu país, que este domingo ficou em segundo lugar no Mundial da Rússia 2018, depois de ter perdido por 4 a 2 a final frente à França.

A viagem fê-la a título particular, por isso meteu folgas, descontou os dias fora do trabalho do seu ordenado e ainda viajou num voo comercial, tendo pago os bilhetes do seu bolso, como conta a BBC Brasil .

Kolinda partilhou a imagem em que aparece no avião ao lado de vários adeptos, com a legenda "vamos para a vitória". Na altura, a presidente deslocava-se para Nizhny Novgorod onde iria ser disputada a partida entre a Croácia e a Dinamarca, a 1 de julho.

Um dos adeptos que seguia no mesmo voo comentou à agência de notícias Tass, da Rússia: "Ela gosta do desporto, e o que ela está a fazer é algo normal para um presidente. Ela apanhou um voo com pessoas comuns e cumprimentou todos. Eu gosto disso. Somos um país pequeno, mas é como uma equipa."

Não foi só este adepto que gostou da atitude da presidente, que está a encantar várias pessoas em diversas localizações. Por exemplo, no Brasil ela é já apontada na imprensa brasileira como um exemplo daquilo que deviam ser os líderes brasileiros.

Este domingo voltou a dar nas vistas, apesar da derrota da seleção croata. Nem a chuva que caiu torrencialmente na altura da entrega das medalhas e da taça lhe apagou o sorriso da cara.

Aliás, foi precisamente o facto de ter ficado debaixo de chuva intensa, a rir, enquanto não chegava um chapéu-de-chuva para a cobrir - note-se que o primeiro a ser protegido foi Vladimir Putin, depois Emmanuel Macron e só a seguir chegou um chapéu para Kolinda -, que a colocou ainda mais em evidência.

Quem é Kolinda Grabar-Kitarovic

Conservadora, Kolinda Grabar-Kitarovic, do partido União Democrática Croata (HDZ), foi eleita a primeira presidente mulher do país em 2015, com 50,54% dos votos.

Antes de se tornar presidente, Kolinda seguia carreira diplomática, tendo sido embaixadora da Croácia em Washington entre 2008 e 2011, ministra para Integração Europeia e ministra das Relações Exteriores.

Considerada da ala moderada do partido, ela surpreendeu ao declarar, durante a campanha de 2014, que apoiaria os filhos caso assumissem ser homossexuais. Também disse autorizar o uso medicinal de canábis e que a decisão de abortar cabia à mulher.

A presidente é casada e tem um casal de filhos - Katarina, 17 anos, e Luka, de 15. Filha de um talhante, Kolinda tem raízes humildes, o que pode justificar a atitude com que está a seduzir o mundo.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."