Casa Pia anuncia saída de Rúben Amorim

Treinador optou por abandonar o clube que atua no campeonato de Portugal na sequência dos castigos de que foi alvo por parte do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol

O Casa Pia anunciou esta terça-feira, através de um comunicado, a saída do treinador Rúben Amorim e de outros elementos da equipa técnica. A decisão partiu do antigo jogador do Benfica, na sequência do castigo de que foi alvo por parte do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol - três meses de suspensão, 2600 euros de multa e inibição de inscrição como treinador por um ano e ao Casa Pia perda de seis pontos na Série D do Campeonato de Portugal, cinco jogos à porta fechada e 14 mil euros de multa. O castigo teve como justificação o facto de o técnico só ter o Nível I do curso de treinador e ter-se levantado do banco para dar instruções aos seus jogadores durante os jogos da equipa de Pina Manique.

Este caso ainda vai fazer correr muita tinta, mas para já, após recurso do Casa Pia, o castigo foi suspenso pelo Tribunal Arbitral do Desporto (TAD). Mesmo assim, e conforme anunciou o clube, Rúben Amorim optou por demitir-se do cargo.

Aqui fica o comunicado na íntegra:

"É do conhecimento público que a Direção do clube repudiou com veemência, e continua a repudiar, os termos do Acórdão do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, que aplicou ao Clube, e a dois dos seus técnicos, das sanções mais graves desportivas e financeiras algumas vez aplicadas.

Também é do conhecimento público que, na sequência do Recurso e Providência Cautelar apresentados pelo Clube e seus Técnicos junto do Tribunal Arbitral do Desporto, este, em tempo útil, e preventivamente, suspendeu as sanções aplicadas, no que se refere à realização dos jogos à porta fechada e suspensão do treinador principal José da Paz Reis e do treinador estagiário Rúben Amorim.

Contudo, as implicações desportivas e financeiras do Acórdão, mesmo tendo em conta a decisão favorável preventiva do TAD, não obstaram a que, por razões de ordem pessoal, e apesar dos esforços da direção em sentido contrário, o técnico principal tenha apresentado a sua demissão e o treinador estagiário tenha dado como terminado o seu estágio junto do CPAC. E, em consequência, que também os treinadores adjuntos Carlos Fernandes e Adélio Cândido tenham decidido desvincular-se do CPAC.

Resta à Direção agradecer o excelente trabalho desenvolvido por José da Paz Reis, Carlos Fernandes, Adélio Cândido e Rúben Amorim, como o comprova a perfomance desportiva do Clube no Campeonato de Portugal da presente época, e desejar-lhes as melhores felicidades pessoais e desportivas.

São óbvios, e gravíssimos, os prejuízos que a decisão do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol já causou ao Clube.

Manter-nos-emos irredutíveis na luta pela Verdade e pela Justiça."

Exclusivos