Ronaldo insurge-se contra o racismo após polémica no Boxing Day italiano

Central do Nápoles, Kalidou Koulibaly, foi alvo de cânticos racistas na visita ao Inter, jogo em que foi expulso aos 81 minutos

A jornada de 26 de dezembro da liga italiana ficou marcada por cânticos racistas dirigidos ao central senegalês do Nápoles, Kalidou Koulibaly, por parte de adeptos do Inter, durante o jogo que opôs as duas equipas em Milão e no qual o defesa acabou expulso aos 81 minutos.

"Pedimos a suspensão do jogo três vezes devido a cânticos racistas, ouviram-se três avisos no estádio e nada foi feito", lamentou o treinador napolitano, Carlo Ancelotti. "A expulsão foi determinante para o resultado. Ele não estava calmo por causa de tudo o que estava a acontecer", acrescentou, aludindo à vitória por 1-0 do Inter, com o único golo do encontro a ser apontado já em tempo de compensação da segunda parte, numa altura em que os visitantes já estavam reduzidos a dez unidades.

"Queremos saber quando é que isto vai acabar. Um dia abandonaremos o relvado e que nos atribuam a derrota", rematou o experiente técnico italiano, de 59 anos.

Após o encontro, o próprio Koulibaly recorreu às redes sociais para manifestar orgulho na cor da pele e lamentar o facto de ter visto um cartão amarelo e o vermelho direto praticamente de seguida: "Sinto muito pela derrota e por ter deixado os meus irmãos. Tenho orgulho na cor da minha pele. Tenho orgulho de ser francês, senegalês, napolitano: homem."

Entretanto, esta quinta-feira Cristiano Ronaldo reagiu à polémica através do Instagram, insurgindo-se contra o racismo. "No mundo e no futebol, desejo sempre educação e respeito. Não ao racismo e a qualquer ofensa e discriminação!!!", escreveu na legenda de uma fotografia em que o avançado da Juventus surge em disputa de bola precisamente com Koulibaly.

Exclusivos