Sousa Cintra quer rescindir depressa com Mihajlovic

Comissão vai tentar alegar período experimental ou má-fé do treinador servo/croata na formação do contrato assinado dia 18 e válido por três anos. Inácio mantém-se... para já

José Sousa Cintra tem várias prioridades como administrador da SAD, mas uma das principais, para não dizer a principal, será a resolução do contrato com o treinador Sinisa Mihajlovic, contratado por Bruno de Carvalho fez nesta segunda-feira uma semana.

Ao que o DN apurou, a comissão de gestão, liderada por Artur Torres Pereira, vai analisar minuciosamente o contrato e tentar alegar uma de duas coisas. A primeira situação a ser explorada terá que ver com a possibilidade de Mihajlovic ainda estar dentro do período experimental. Como explicou ao DN na edição impressa do dia 20 o advogado Lúcio Correia, especialista em direito desportivo, "para que o período experimental seja motivo de revogação de contrato tem de estar uma cláusula expressa no contrato".

Se nada constar, a SAD leonina vai rescindir tentando provar por parte de Sinisa Mihajlovic responsabilidade por culpa in contrahendo. Por outras palavras, isto quer dizer que quando assinou contrato com o Sporting o treinador tinha informações na sua posse que configuram má-fé ao consumar o seu vínculo com o clube. Por exemplo, Mihajlovic saberia que no momento em que se juntou aos leões que Bruno de Carvalho já estava suspenso pela comissão de fiscalização na qualidade de presidente do Sporting, acionista maioritário da SAD. Além disso, também era do conhecimento público que Bruno de Carvalho enfrentava cinco dias depois do anúncio de Sinisa Mihajlovic uma assembleia geral que visava a sua destituição, bem como do restante conselho diretivo.

Pelos dados recolhidos pelo DN, é seguro dizer-se que Sinisa Mihajlovic arrisca-se a ter uma passagem meteórica como treinador do Sporting, como nunca aconteceu na história do clube de Alvalade, ainda que a análise do contrato possa levar a uma outra decisão que ontem não estava em cima da mesa.

Este terá de ser um processo relativamente rápido, visto que o plantel regressa ao trabalho na próxima sexta-feira. A grande indecisão de Sousa Cintra, e da restante comissão de gestão, terá que ver com o substituto de Mihajlovic; contratar um treinador para o futuro e que seja mais ou menos consensual entre o universo leonino e, por inerência, do agrado dos candidatos a suceder a Bruno de Carvalho. Ou, então, contratar um treinador apenas para um período transitório deixando para o futuro presidente a decisão de contratar o treinador após as eleições agendadas para 8 de setembro. No meio disto tudo há que saber o que fazer com Augusto Inácio (diretor do futebol), que avisou mal regressou a Alvalade que não voltava para trabalhar exclusivamente com Bruno de Carvalho. A primeira intenção passa por manter o último treinador português campeão nacional pelos leões, pois está por dentro dos dossiês, mas o DN sabe que não está descartada a possibilidade de ser contratado um diretor para o futebol, podendo Inácio sair ou então ser o tal treinador de transição - caso aceite.

As próximas horas serão de intenso frenesi para Sousa Cintra, que tentará, com a colaboração de outros elementos da comissão de gestão, dialogar com os empresários dos futebolistas que rescindiram alegando justa causa. A primeira intenção nunca passará pelo regresso desses jogadores a vestir de verde e branco, mas para saírem a bem com impacto nos cofres leoninos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.