Poiares Maduro: "Só há uma resposta possível, total solidariedade com a equipa"

Sportinguista e ex-membro do Comité de Governação da FIFA, o antigo governante diz ter "vergonha de ser do mesmo clube que certos adeptos" que invadiram Alcochete e agrediram jogadores e equipa técnica. E pede desculpa, enquanto sportinguista, aos que foram agredidos

"Tenho orgulho em ser do Sporting mas hoje, pela primeira vez, tenho vergonha em ser do mesmo clube de certos adeptos (a confirmar-se, como tudo indica, que se tratam de adeptos do Sporting)." Assim escreve Miguel Poiares Maduro na sua página de Facebook, que autorizou o DN a reproduzir.

O antigo ministro, que esteve oito meses no Comité de Governação da FIFA - do qual foi afastado por ter tentado "mudar processos instalados há décadas" no organismo -, lamenta tudo quanto se passou na Academia de Alcochete nesta tarde, factos que considera pintarem um dia especialmente negro no futebol nacional e, mais além do desporto, para o país.

"Os adeptos que agrediram os jogadores e a equipa técnica não têm lugar no Sporting (nem na proximidade de qualquer estádio de futebol)", escreveu ainda o professor universitário em Florença. E critica a atitude de quem dirige, apelando a que se apurem responsabilidades. "O clube tem de apurar como foi possível deixar os jogadores e técnicos expostos e sem proteção no clima que se vivia e de que forma se permitiu que este clima fosse criado."

"Tenho a certeza que falo pela quase totalidade de adeptos do Sporting quando digo que, depois do que se passou, só há uma resposta possível de todos os verdadeiros sportinguistas: total solidariedade com a equipa, aconteça o que aconteça e seja qual for o resultado de domingo." Para Poiares Maduro, trata-se da "única resposta moral possível, independentemente de qualquer juízo desportivo: reiterar a confiança neles e nos técnicos."

E deixa as suas desculpas: "Como adepto do Sporting as minhas desculpas aos jogadores e técnicos agredidos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.