Quando o problema será convocar só 23 jogadores

Manuel José e Jorge Andrade assumem que dificilmente surgirá uma surpresa no lote de convocados de Fernando Santos para o Mundial 2018 e apontam para um problema futuro

Fernando Santos utilizou 29 jogadores nesta fase de apuramento para o Mundial 2018, que se realiza no próximo verão na Rússia, embora o leque de escolhas do selecionador tenha sido, até ao momento, bem mais alargado tendo em conta alguns jogadores convocados e que acabaram por não jogar de todo ou tenham participado apenas em jogos particulares, como é o caso do médio Bruno Fernandes, que ficou fora da ficha do jogo no jogo com a Suíça.

Ainda assim, o antigo internacional Jorge Andrade e o treinador Manuel José não consideram que o grupo de futebolistas que compõe a seleção nacional esteja fechado. "O leque de opções é neste momento muito grande e o difícil será escolher os 23 que vão estar no Mundial da Rússia, começou por dizer Jorge Andrade ao DN, que por conhecer bem Fernando Santos deixa a certeza de que "podem haver surpresas" na convocatória final, embora diga que "é difícil prever" de onde elas possam surgir.

Manuel José concorda com este cenário e, tendo em conta a sua experiência como selecionador de Angola, assume que "é difícil entrar mais alguém" na equipa das quinas. O técnico de 71 anos recorda que no início do século "Portugal tinha muitas estrelas, mas não conseguiu ganhar um título", enquanto atualmente "há menos estrelas, razão pela qual tem de se dar valor ao trabalho de Fernando Santos, que tem sido muito pragmático na construção de uma equipa organizada". E é seguindo essas premissas que Jorge Andrade assume que "o mais importante nesta altura é gerir as lesões que podem aparecer e os estados de forma" antes do Campeonato do Mundo. Apesar da dificuldade em escolher a lista final para viajar para a Rússia, o antigo central lembra que o selecionador nacional "ganhou o crédito para poder escolher os melhores de acordo com os seus critérios", afinal "tem cumprido todos os objetivos" estabelecidos pela Federação Portuguesa de Futebol.

Um problema central

Manuel José e Jorge Andrade reconhecem que o principal problema de Fernando Santos está relacionado com as opções que existem para o eixo central da defesa, onde Pepe, José Fonte e Bruno Alves já estão bem acima dos 30 anos. Ainda assim, o treinador está convencido de que "os que têm sido convocados vão aguentar-se até ao Mundial", pelo que o pior virá depois... "Acredito que Pepe e companhia se retirem após o Campeonato do Mundo, mas não será fácil encontrar substitutos... ainda pensei que o Rúben Semedo pudesse lá chegar, mas saiu do Sporting...", acrescentou Manuel José.

Esta é uma ideia partilhada por Jorge Andrade que assume a "dificuldade na entrada de jogadores mais novos na seleção nacional porque o centro da defesa é uma posição de grande responsabilidade", mostrando-se esperançado de que algumas opções de futuro "ganhem experiência para que possam ser opção", mas apenas após o Mundial.

"Depois da excelente exibição de Pepe com a Suíça, não temos grandes razões para estarmos preocupados para o Mundial, pois acredito que qualquer um dos centrais que tem jogado vai dar conta do recado", assumiu o antigo internacional português de 39 anos, que além dos habituais convocados - Pepe, José Fonte, Bruno Alves e Luís Neto - ainda refere que "Rolando também poderia entrar neste lote, até porque já foi chamado" em anteriores ocasiões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.