Rui Bragança conquista prata em taekwondo

O português Rui Bragança conquistou hoje a medalha de prata em taekwondo, na categoria de -58 KG, nas Universíadas de Taipé, que teve como vencedor o indiano Hadi Tiranvalipour.

Rui Bragança, de 25 anos, natural de Guimarães, perdeu por 7-5 o combate da final com Hadi Tiranvalipour, e repetiu a prata conquistada nas Universíadas de Gwangju, em 2015.

Para chegar à luta pelas medalhas, Rui Bragança começou por derrotar Malek Ahmad, da Jordânia, por 19-09, seguido de Adam Ferdyansyah, da Indonésia, por 11-6.

No combate de acesso às meias-finais, Rui Bragança venceu um atleta da casa, Cheng-Ching Huang, por 11-8, e na meia-final, o português bateu o russo Gulzhigit Kochkorbaev, na morte súbita, por superioridade no número de toques ao adversário, após o empate a três no final dos três 'rounds'.

Rui Bragança, bicampeão europeu em título, foi nono classificado nos Jogos Olímpicos do Rio2016 e já ocupou o n.º1 do 'ranking' mundial, ao que soma o título de vice-campeão do Mundo na categoria de -58kg.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.