FC Porto pergunta se "autoridades terão coragem" para penalizar o Benfica

Portistas dizem que o Benfica "promove, protege e financia" claques ilegais

O FC Porto reagiu esta segunda-feira à interdição do estádio da Luz dizendo que o Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) apenas "descobriu aquilo que já toda a gente sabia". Na newsletter Dragões Diário, o clube pergunta se as autoridades vão agora ter "coragem para fazer o que tem de ser feito".

Os dragões referem-se à interdição imposta aos benfiquistas de jogarem no estádio da Luz. Isto porque o IPDJ analisou denúncias feitas por sportinguistas de que os encarnados permitiam a entrada de tarjas e bandeiras de grupos organizados não reconhecidos oficialmente e decidiu notificar o Benfica da nulidade do regulamento interno do Estádio da Luz.

"Vários anos depois, o Instituto Português do Desporto e Juventude descobriu aquilo que já toda a gente sabia: o Benfica não só tem claques ilegais como também as promove, protege e financia", dizem os portistas, na newsletter. "Agora resta saber se as autoridades terão coragem para fazer o que tem de ser feito ou se fica tudo na mesma", continuaram.

O FC Porto criticou ainda o que diz ser as mentiras dos benfiquistas veiculadas pelas "sempre anónimas 'fontes oficiais'" e garantiu que os encarnados foram mesmo notificados pelo IPDJ, ao contrário do que disseram.

"Ao Jornal de Notícias, os senhores anónimos garantiram que não tinham sido notificados da interdição do Estádio da Luz, apesar de se saber que não só o foram como até reagiram pedindo mais tempo para resolver o problema", disseram os portistas.

Segundo O Jogo, os encarnados vão entregar esta segunda-feira ao IPDJ um novo regulamento do estádio, para tentarem anular a interdição.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras