Nelson Évora confirma ter sido vítima de racismo

O atleta acrescentou que, ao fim de 23 anos em Portugal, foi a primeira vez que sentiu essa discriminação, numa discoteca em Lisboa

"Tive que viver cá 23 anos da minha vida para acabar por acontecer este incidente. Foi triste", lamentou à agência Lusa Nelson Évora, no Algarve, região onde o atleta se encontra a estagiar.

A denúncia de racismo foi feita na noite de segunda-feira, pelas 22.00, no Facebook, tendo Nelson Évora escrito que na noite de 19 de abril lhe foi negada a entrada na discoteca lisboeta "Urban Beach" por haver "demasiados pretos no grupo".

Nelson Évora disse que quer esquecer o incidente que descreveu na sua página oficial do facebook, mas sublinhou que "é importante que não se repita com ninguém".

Segundo Nelson Évora, a ida à discoteca teve que ver com uma surpresa organizada por amigos, para assinalar o seu 30.º aniversário.

"Éramos um grupo de 16 pessoas com mesas pré-reservadas e não é que somos surpreendidos pelos responsáveis daquele espaço público. Porquê? "Demasiados pretos no grupo", lê-se no texto escrito pelo atleta no facebook.

"O que eu tinha a dizer sobre o incidente, está tudo dito na minha página oficial. Poucas palavras para um bom entendedor chega", sublinhou.

O atleta lamentou que "nos dias de hoje existam pessoas ignorantes e que continuem a batalhar em não querer evoluir e a tornarem-se cada vez mais ricas".

Nelson Évora disse que "o incidente" não impediu que o grupo festejasse o seu aniversário: "Fizemos a nossa festa, divertimo-nos e pusemos isso para trás das costas".

"Coloquei isso na minha página só para que as pessoas ficassem sensibilizadas. Foi um caso que aconteceu com pessoas que representam as cores nacionais e que dão o seu melhor e que cresceram cá", sublinhou.

A finalizar disse ainda: "Estou cá desde os meus sete anos e sinto que pertenço aqui, cresci aqui, a minha educação foi toda feita cá em Portugal e sinto-me português. Se puder fazer algo por esta nação e torná-la mais rica, vou fazer. Vou continuar a lutar, a ganhar medalhas e, sempre que tenha oportunidade, a enaltecer a cores da nossa bandeira.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG