Neymar: Cheque de 222 milhões recusado pela Liga espanhola

Valor da cláusula de rescisão não foi aceite

A Liga espanhola recusou esta manhã o cheque de 222 milhões de euros da cláusula de rescisão de Neymar do FC Barcelona. Representantes do jogador brasileiro e do Paris Saint-Germain (PSG) deslocaram-se à sede do organismo, mas voltaram para trás.

O presidente da LaLiga, Javier Tebas, havia ameaçado recusar o cheque, em declarações ao jornal espanhol AS, e cumpriu.

"Não aceitaremos esse dinheiro de um clube como o PSG , que, sem pertencer à Liga espanhola, quer beneficiar de um direito da nossa organização, que infringe normas e leis: as normas da UEFA e de fair-play financeiro bem como as leis da União Europeia e do tribunal da Suíça", declarou em entrevista ao As. "Seria uma contradição aceitar esse dinheiro Se o PSG vier com o dinheiro da cláusula de Neymar não o aceitaremos", afirmou Javier Tebas.

Quando todos julgavam que a transferência estava praticamente feita, com os representantes do jogador e do PSG a entrar na sede da Liga espanhola, em Madrid, surge esta decisão, que leva a um impasse relativamente ao futuro do brasileiro, que seria o protagonista da transferência mais cara de sempre do futebol, após a mudança de Pogba da Juventus para o Manchester por 120 milhões de euros na época passada.

Agora, segundo explica o jornal espanhol Marca, os representantes de Neymar terão apenas uma hipótese: recorrer à FIFA e solicitar uma transferência provisória para que o jogador possa alinhar na liga francesa, que começa já este fim de semana.

Entretanto, a UEFA anunciou que vai analisar os detalhes sobre a iminente transferência do futebolista, mas rejeita antecipar eventuais infrações ao 'fair play' financeiro.

Fonte do organismo lembrou à agência EFE que os clubes estão em permanente monitorização e garantiu que a transferência, a confirmar-se, será analisada de "forma a garantir que o emblema parisiense respeite as determinações do 'fair play' financeiro".

"O impacto desta operação não pode ser julgado por antecedência, sobretudo porque o PSG pode vender alguns jogadores por verbas significativas", referiu a mesma fonte.

Desta forma, a UEFA só poderá "fazer cálculos no final para confirmar se foram cumpridas as regras do 'fair play' financeiro".

O ministro das Finanças de França já se tinha congratulado esta manhã com o impacto fiscal que teria esta transferência de Neymar do FC Barcelona para o Paris Saint-Germain.

"Se Neymar chega a um clube francês, então o ministro das Finanças congratula-se com os impostos que pagará em França", disse Gérald Darmanin, numa entrevista à estação de rádio France Inter.

O empresário do futebolista brasileiro Neymar, Wagner Ribeiro, confirmou ontem que o PSG iria pagar os 222 milhões de euros da cláusula de rescisão de contrato com o FC Barcelona. "O PSG pagará a cláusula de Neymar e vai apresentá-lo no final da semana", garantiu Wagner Ribeiro à entrada do aeroporto de El Plat, onde deverá apanhar um avião com o jogador e o seu pai para Paris.

Ontem à tarde, o futebolista esteve no Porto para realizar exames médicos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG