Uma Comissão de Gestão não remunerada e sem aspirações eleitorais

Torres Pereira abordou o futuro do clube e da SAD, depois da destituição de Bruno de Carvalho, em Assembleia Geral, no passado sábado, com 71, 36 % dos votos.

Torres Pereira vai liderar o Sporting Clube de Portugal e fez questão de esclarecer que os 11 elementos da Comissão de Gestão não serão pagos nem aceitarão fazer parte de uma qualquer lista eleitoral no futuro.

"Nenhum dos membros desta Comissão de Gestão, no cube ou SAD; irá auferir um cêntimo nestes três meses; nenhum membro desta Comissão aceitará integrar qualquer lista concorrente às próximas eleições. Que fique claro que o nosso espírito é o de contribuir para dar de novo alegrias. Nenhum de nós está aqui a não ser para servir o Sporting", disse o antigo vice-presidente do Sporting, que agora substituirá Bruno de Carvalho no clube.

O novo líder leonino informou ainda que será pedida uma auditoria forense às contas do clube, sem adiantar se as mesmas podem resultar em processos crime idênticos ao que a direção agora destituída moveu contra outros ex-presidentes.

O que fará a Comissão de Gestão nos próximos dias?"Vamos definir pelouros de cada membro da Comissão, ter conversa com responsáveis dos vários departamentos e depois da parte da manhã de terça a reunião com os funcionários para que possa voltar a paz ao Sporting. Queremos sarar as feridas que foram abertas", informou Torres Pereira, revelando uma das prioridades: "Gala Honouris".

Para terminar, um aviso aos rivais: "Não será favas contadas. Para os rivais, se acham que esta debilidade recente do Sporting os vai fazer andar à solta, vão chegar à conclusão rapidamente que terão de contar de novo com o Sporting."

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.