Uma Comissão de Gestão não remunerada e sem aspirações eleitorais

Torres Pereira abordou o futuro do clube e da SAD, depois da destituição de Bruno de Carvalho, em Assembleia Geral, no passado sábado, com 71, 36 % dos votos.

Torres Pereira vai liderar o Sporting Clube de Portugal e fez questão de esclarecer que os 11 elementos da Comissão de Gestão não serão pagos nem aceitarão fazer parte de uma qualquer lista eleitoral no futuro.

"Nenhum dos membros desta Comissão de Gestão, no cube ou SAD; irá auferir um cêntimo nestes três meses; nenhum membro desta Comissão aceitará integrar qualquer lista concorrente às próximas eleições. Que fique claro que o nosso espírito é o de contribuir para dar de novo alegrias. Nenhum de nós está aqui a não ser para servir o Sporting", disse o antigo vice-presidente do Sporting, que agora substituirá Bruno de Carvalho no clube.

O novo líder leonino informou ainda que será pedida uma auditoria forense às contas do clube, sem adiantar se as mesmas podem resultar em processos crime idênticos ao que a direção agora destituída moveu contra outros ex-presidentes.

O que fará a Comissão de Gestão nos próximos dias?"Vamos definir pelouros de cada membro da Comissão, ter conversa com responsáveis dos vários departamentos e depois da parte da manhã de terça a reunião com os funcionários para que possa voltar a paz ao Sporting. Queremos sarar as feridas que foram abertas", informou Torres Pereira, revelando uma das prioridades: "Gala Honouris".

Para terminar, um aviso aos rivais: "Não será favas contadas. Para os rivais, se acham que esta debilidade recente do Sporting os vai fazer andar à solta, vão chegar à conclusão rapidamente que terão de contar de novo com o Sporting."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.