Jorge Jesus vai para a Arábia Saudita: "O objetivo é de voltar a Portugal, onde, não sei."

Treinador viaja para a Arábia Saudita... com o objetivo de voltar.

O Sporting fez-se representar em peso no almoço palestra com Jorge Jesus, esta sexta-feira, numa iniciativa do International Club de Portugal. Os ex-presidentes leoninos, Godinho Lopes e Sousa Cintra, o ex-presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting e um dos advogados do treinador, Rogério Alves, os ex-candidatos à presidência Pedro Baltazar e Pedro Madeira Rodrigues, ou o amigo e ex-diretor do futebol Otávio Machado foram alguns dos ex-leões presentes numa sala com mais de 200 convidados, entre eles Manuel Sérgio, o mentor e grande amigo que fez emocionar Jesus.

Godinho Lopes foi um dos usou da palavra para fazer uma pergunta ao ex-treinador leonino. Primeiro elogiou a capacidade de liderança que ele teve para manter a elevação num momento tão complicado como o que passou no clube de Alvalade após o jogo com o At.. Madrid, que deu origem a um post de Bruno de Carvalho a criticar os jogadores e a dar início a uma crise sem precedentes. "Transmitiu aos adeptos alguma tranquilidade no meio da tempestade", disse o ex-presidente leonino antes de o questionar sobre o estado atual do futebol português e a inoperância do Estado, da Liga e da Federação.

"O futebol é uma indústria que move milhões. Hoje em dia um clube de futebol é uma empresa e todos nós temos de começar a ter uma linguagem diferente, não vale tudo para ganhar. Em Portugal começou a perceber-se que a comunicação também é um jogo que ajuda a atingir os objetivos, é uma luta constante, mas todos nós temos de mudar a nossa forma de pensar e comunicar", respondeu Jesus.

O treinador falou também da mudança do Benfica - nenhuma figura do clube marcou presença - para os leões, há três anos, e de como isso chocou alguns adeptos: "Quando mudei do Benfica para o Sporting não tinha noção das repercussões que isso ia ter nos sentimentos das pessoas. Comecei a perceber isso na rua, quando muitos miúdos, de dez e onze anos, me perguntavam, a chorar, porque é que tinha mudado. Também estou a sentir isso agora no Sporting, não é fácil para mim, mas tenho de ir à procura dos meus interesses profissionais e financeiros."

Ainda esta sexta-feira vai rumar à Arábia Saudita, com o objetivo de voltar. " O que posso garantir é que saio com o objetivo de voltar a Portugal, onde, não sei."

Depois quando questionado sobre qual o clube em Portugal que gostaria de ver campeão na próxima época, Jesus foi evasivo e destacou a aproximação do Sporting ao Benfica e FC Porto: "Tenho de ter respeito pelos treinadores dos três grandes e para além do meu gosto pessoal, primeiro sou profissional, o futebol é a minha grande paixão. Dos três grandes qualquer um pode ser campeão, os dois rivais que estão mais perto são o Benfica e o FC Porto, senti isso quando trabalhei no Sporting, penso que neste momento o Sporting já esta mais próximo dos grandes rivais graças a uma valorização nós deixámos. Não tem importância para mim quem ganha, o vencedor que seja justo porque é assim que vejo o futebol."

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.