Roland-Garros. Discriminação à mamã Serena instala polémica

Torneio francês recusou estatuto de cabeça-de-série a Serena Williams, que por ter sido mãe é atualmente a 453.ª do ranking mundial. Tenistas reclamam proteção na maternidade

Um ano e meio depois de ter conquistado na Austrália o 23.º major da carreira - um recorde na Era Open -, Serena Williams prepara--se para voltar a jogar um dos quatros torneios que compõem o Grand Slam do ténis, na próxima semana, quando entrar em campo nos courts de Roland-Garros, a mítica catedral francesa da terra batida.

No entanto, o regresso de Serena aos grandes palcos, oito meses após ter dado à luz a sua filha, Alexis Olympia, está para já marcado pela polémica decisão do torneio parisiense, que não concedeu à tenista norte-americana o estatuto de cabeça-de-série, abrindo o debate sobre o tratamento da WTA [a associação que gere o circuito feminino] às tenistas que optam pela maternidade.

"Este ano, mais uma vez, a direção do torneio estabelecerá a lista de cabeças-de-série com base na classificação mundial desta semana", informou a direção do torneio de Roland-Garros, através da Federação Francesa de Ténis. O que afasta desse lote de 32 principais tenistas o nome de Serena Williams, que, depois de 14 meses sem competir - regressou aos courts apenas em março deste ano -, ocupa atualmente a 453.ª posição do ranking WTA.

O caso não é inédito. Já aconteceu anteriormente a outras tenistas como Kim Clijsters ou Victoria Azarenka, mas o nome de Serena Williams, figura maior do ténis feminino atual, veio expor a falta de uma política de proteção da maternidade no circuito feminino e fez alastrar o debate sobre a discriminação imposta às tenistas que optam por ser mães durante a carreira. Serena, recorde-se, era a incontestada número 1 mundial quando anunciou a interrupção da carreira por estar grávida, logo após a conquista do seu 23.º título do Grand Slam, na Austrália, em janeiro de 2017.

Se, na generalidade das profissões, fora do desporto de alta competição, Serena teria direito a uma licença de maternidade e a voltar ao trabalho nas mesmas condições de antes, na WTA isso não acontece. No ténis, ser mãe está equiparado a ter uma lesão. E a única proteção prevista no regresso à competição é o direito de entrada nos quadros principais de um total de oito torneios.

Ser cabeça-de-série ou não depende das regras adotadas por cada torneio. E Roland-Garros, como a maioria dos torneios, não concede essa proteção. O que significa que Serena Williams poderá ter de enfrentar, por exemplo, a atual líder do raking mundial (a romena Simona Halep) logo na primeira ronda - o sorteio realiza-se hoje à tarde na capital francesa.

Rivais unem-se no protesto

A polémica sobre o tema tem crescido no circuito e até rivais históricas de Serena Williams têm feito ouvir o seu protesto contra esta discriminação. Como Maria Sharapova. "Gostava de ver mudanças nesta política. Trata-se de um esforço incrível para uma mulher, do ponto de vista físico e emocional, regressar à competição após ter um filho", referiu a russa. Simona Halep, atual n.º1 mundial, junta-se às críticas. "Tem de ser normal uma mulher dar à luz. E alguém nessas condições deveria ter o ranking protegido", defendeu a romena.

"É tremendamente errado. Não só para Serena como para as adversárias que podem ser obrigadas a defrontá-la nas primeiras rondas", disse, por sua vez, a antiga tenista norte-americana Chris Evert: "Não é como se ela tivesse decidido tirar um ano de férias."

Perante o aumento de tom das críticas, a WTA já veio admitir, através de um porta-voz, que as regras estão a ser reequacionadas para 2019. Mas até lá, Serena Williams, aos 36 anos, terá de percorrer a via mais dura para regressar ao topo.

Wimbledon mostra abertura

Se Roland-Garros é intransigente com a causa de Serena, já Wimbledon - o Grand Slam que se segue, em julho - tem maior abertura para reajustar o quadro de cabeças-de--série. "A lista segue o ranking WTA, exceto quando o comité organizador entende que há mudanças benéficas para formar um quadro mais equilibrado", prevê o All England Club, o que pode ajudar a regressada norte-americana, vencedora por sete vezes na relva londrina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.