O empate e o apuramento de Portugal vistos pelos média internacionais

Alan Shearer diz que penálti contra Portugal foi uma "farsa" e chama "louco" ao árbitro. Espanhóis, que sofreram para conseguirem empatar com Marrocos, dizem que Portugal se apurou mostrando "muito pouco futebol".

Imprensa espanhola critica a qualidade de jogo portuguesa até ao momento e diz que o Irão acabou por ficar próximo de um apuramento histórico. Media em língua inglesa, mais moderados, lembram que Portugal controlou a maior parte do jogo e questionam o videoárbitro no penalty que deu o empate ao Irão

BBC One - Alan Shearer

"Farseiro. Caótico"

"O árbitro é um tipo com muita sorte. Se o Irão tivesse marcado no fim teria sido o caos absoluto. Como é que alguma vez poderá ele ter pensado que aquilo [o lance que deu o empate ao Irão] era penálti? Se ele pensa que aquilo é uma mão na bola deliberada, ele é louco. Não era mão deliberada de forma nenhuma. [Uma decisão destas] transforma o jogo numa absoluta farsa".

Marca.com

"A surpresa esteve próxima de acontecer e o Irão ficou a um golo de alcançar uma qualificação histórica para os oitavos de final mas ficou com o mel nos lábios. No final, Portugal, com muito pouco futebol, passou como segundo classificado e vai enfrentar o Uruguai e a Espanha a anfitriã Rússia"

As. com

Portugal voltou a ser vulgar, sem futebol nem equilíbrio, apesar de uma pequena revolução empreendida por Fernando Santos, com três mudanças no onze titular (...) Ao astro português [Cristiano Ronaldo] desta vez não saiu absolutamente nada"

CNN

"Portugal deixou fugir a liderança do grupo nos minutos finais do seu jogo quando um penalty nos descontos valeu ao Irão um empate com os campeões da Europa"

The New York Times

"Depois de controlar a maior parte do jogo, Portugal suou por alguns tardios momentos nervosos antes de avançar para a segunda ronda do Mundial (...) No papel, este jogo foi inteiramente de Portugal. Completou 508 passes contra os 131 do Irão, por exemplo"

France Football

"Apesar de ter estado durante muito tempo metido no resultado, Portugal acabou encostado pelo Irão (1-1) e classificou-se para os oitavos de final no sofrimento".

Fifa.com

"Mais uma Montanha Russa"

"Não pela primeira vez na Rússia, e parece seguro dizer que não terá sido a última, um golo tardio transforma um jogo num drama de dar cabo dos nervos a todos os envolvidos. Portugal levou a melhor, mas foi por muito pouco"

Globo

"Só deu VAR...Ah, e Portugal nas oitavas"

"Quem viu o primeiro tempo não esperava tanta emoção na reta final. Só o golaço de Quaresma, em chutaço de trivela, salvou a primeira etapa. No segundo tempo, houve de tudo. O VAR acabou sendo o grande personagem"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.