II Liga vai ter menos clubes e chamar-se LigaPro

Novo modelo arranca na próxima temporada, com 22 clubes. Ideia é reduzir até aos 18 em 2018/19

A Liga Portugal anunciou esta segunda-feira que o segundo escalão do futebol profissional vai passar a chamar-se LigaPro, a partir da próxima temporada (2016/17), reduzindo o número de clubes de 24 para 22.

O novo modelo acordado com os clubes prevê, de resto, uma redução progressiva de clubes nas temporadas seguintes: 20 em 207/18 e" eventualmente" 18 no campeonato de 2018/19, revelou o organismo liderado por Pedro Proença, no seguinte comunicado:

"A nova competição, construída pela Liga Portugal em conjunto com os Clubes, tem marca própria e uma identidade assumida. Vamos lançar uma prova mais atrativa para Adeptos, Media e Patrocinadores, num projeto com alcance até 2019 e arranque marcado já para a próxima temporada.

O diagnóstico efetuado fez-nos concluir que a sustentabilidade da competição exigia novas respostas.

O aumento para 24 equipas criou problemas de equilíbrio financeiro nos Clubes e diminuiu o interesse dos adeptos e dos media. A aposta no jovem jogador português tem estado aquém do desejável.

É necessário mudar o paradigma!

No entanto, nunca duvidámos do enorme potencial existente na competição: clubes com tradição e muita expressão nas comunidades locais; presença das equipas B com a marca dos chamados «grandes» a dar visibilidade mediática; base de crescimento para jogadores com qualidade de atingirem mais altos patamares.

Dando resposta a um objetivo apontado no programa para o mandato desta Direção da Liga, a Liga Portugal projetou a LigaPro, uma competição moderna, jovem, dinâmica e ambiciosa.

A Liga Pro afirma-se como uma plataforma de novos talentos, assumindo-se como base de recrutamento por excelência para as seleções nacionais jovens e para os clubes da Liga NOS.

Apostará no jovem jogador português, explorará o potencial comercial dos nossos Clubes e continuará a aproveitar a força desportiva dos emblemas das equipas B como fator de valorização da prova.

Mais espectadores e novos públicos

Queremos uma competição com mais espectadores nas bancadas e novos públicos a colorirem os nossos estádios.

Vamos, em conjunto com os Clubes, garantir melhores condições nos nossos estádios, aumentando a qualidade do espetáculo para o adepto que assiste na bancada e para quem assiste através da TV.

Os nossos Valores

A LigaPro será, assim, uma nova competição mais apelativa, mais jovem, mais positiva.

Queremos ser a grande montra de PROjeção do jovem jogador português.

Seremos uma competição cada vez mais PROfissional.

O público irá vibrar com a luta pela PROmoção à Liga NOS.

Os jogadores serão os PROtagonistas dos nossos jogos.

No logo da nova competição estão bem vincados os valores que nos guiam:

-- as cores (vermelho, verde e amarelo) fortalecem o alcance nacional da competição e remetem para a portugalidade relevante para uma futura internacionalização da marca;

-- as estrelas e o escudo remetem para o troféu da competição e representam também as jovens estrelas que pretendemos formar no novo posicionamento da competição - Talento;

-- o arco do vencedor simboliza o objetivo de todas as equipas que vão participar nesta competição: ganhar! Todos lutam pela vitória, não esquecendo o fair-play e a integridade.

Redução progressiva do número de equipas

A Liga Pro arrancará em 2016/2017, com 22 equipas, apontando para redução progressiva nas épocas seguintes (20 em 2017/2018 e eventualmente ainda uma nova redução para 18 em 2018/19).

Estudaremos a possibilidade de realização de «playoff» a duas mãos entre o terceiro classificado da LigaPro e o antepenúltimo da Liga NOS por uma vaga no principal escalão.

E introduziremos a obrigatoriedade gradual de inserção na ficha do jogo de um mínimo de jogadores sub-23 bem como de jogadores formados localmente.

Em resumo: queremos criar uma competição com mais valor, mais interesse mediático e mais público nas bancadas. Mais atraente. Mais sustentável."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.