FC Porto admite pagamento ao Estoril antes do jogo mas diz que foi liquidação de dívida

Os dragões pagaram verbas em atraso, de acordo com o diretor de comunicação do FC Porto

Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, disse esta quinta-feira no programa "Universo Porto", do Porto Canal, que o FC Porto não deu qualquer dinheiro ao Estoril depois do jogo de 21 de fevereiro - data em que foi disputada a segunda parte do encontro que estava em atraso e que os dragões venceram - mas que existiu um pagamento antes dessa partida. O valor, garante, corresponde a dívidas ao Estoril.

"Em 14 de fevereiro, o FC Porto realizou uma transferência de 784 mil euros. Porquê? Tivemos liquidez da venda de bilhetes do jogo com o Liverpool e pagámos valores que tínhamos em dívida com o Estoril", explicou, em declarações citadas pelo Jornal de Notícias.

Garante também que não houve qualquer encontro entre dirigentes dos dois clubes antes do jogo que o FC Porto venceu por 3-1.

A Procuradoria-Geral da República já havia confirmado ao DN, esta quinta-feira, que se confirmava a "receção de uma queixa relacionada com a segunda parte do jogo Estoril Praia - Futebol Clube do Porto" e que "a mesma foi encaminhada para o DIAP de Lisboa".

A confirmação surge na sequência de uma notícia do jornal A Bola, que dava conta de um encontro entre dirigentes e de uma transferência no valor de 730 mil euros, efetuada dias após a realização da segunda parte do encontro, que estava em atraso.

Assim, Francisco J. Marques confirma uma transferência, mas esclarece a situação, ao explicar que se trata de uma liquidação de dívidas.

FC Porto e Estoril reagiram durante esta quinta-feira à situação, assegurando que nada de ilegal se passou. Os dragões negaram que "a segunda parte do jogo contra o Estoril tenha sido objeto de qualquer negócio". "O FC Porto nega e repudia a pseudonotícia do jornal A Bola sobre uma alegada compra do jogo Estoril-FC Porto: os factos, como sempre no caso de matérias relacionadas com o FC Porto, serão comprovados documentalmente", escreveram os dragões em comunicado.

O Estoril, por seu lado, admitiu tomar medidas legais para defender "o bom nome da instituição Estoril Praia". "Considerando a ausência de fundamentos, detalhe ou rigor das peças jornalísticas referidas, e, em alguns casos, o seu teor difamatório, iremos analisar as medidas legalmente ao nosso dispor", lê-se.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.