Clube e SAD de costas voltadas e cada um poderá ter a sua equipa

Tribunal Arbitral do Desporto rejeitou recompra da SAD por parte do clube, que quer ter equipa de futebol sénior. AG no dia 28

Emblema incontornável do futebol português, campeão nacional em 1945-46 e detentor de três Taças de Portugal, o Belenenses parece estar a caminho de uma reviravolta histórica, que poderá ditar uma divisão em duas equipas de futebol profissional.

O direção liderada por Patrick Morais de Carvalho tinha avançado para a recompra da SAD na última semana, no âmbito do acordo parassocial celebrado pelo antecessor com a empresa de Rui Pedro Soares, a Codecity Sports Management (CSM), a 12 de dezembro de 2012. Contudo, o Tribunal Arbitral do Desporto considerou válida a denúncia ao contrato feita há três anos e meio pela CSM por alegado "incumprimento do clube", e consequentemente considerou inexistente essa cláusula. Ou seja, o clube viu ser rejeitada a possibilidade de resgatar a sua equipa de futebol profissional.

Posto isto, e porque a vontade da direção e - no entender desta - "a vontade de todos" os sócios, "todos os cenários estão em aberto", inclusivamente a possibilidade de o clube vender os 10% da SAD que restam na sua posse e criar uma nova equipa de futebol sénior para jogar no Campeonato de Portugal já em 2018-19. Essa hipótese foi levantada ontem pelo jornal A Bola e não foi negada por Patrick Morais de Carvalho, que em conferência de imprensa realizada ontem remeteu a palavra para os sócios numa assembleia geral ordinária que vai realizar-se no dia 28, pelas 19.30. "Li o artigo, sei que podem estar bem informados e ter falado com alguém do Belenenses, mas não posso dizer qual vai ser o caminho", frisou.

O líder do emblema do Restelo revelou que vai apresentar uma proposta durante a AG mas que a irá manter em sigilo até lá, de forma a estar "blindada a ataques exteriores". A confirmar-se a criação de uma equipa pelo clube, a da SAD pode sofrer consequências. No limite, poderá perder o direito de usar o nome e o emblema do Belenenses, bem como o de utilizar o Estádio do Restelo, segundo avança o diário desportivo A Bola.

Líder da SAD recusado como sócio

No entender do presidente do Belenenses, Patrick Morais de Carvalho, "o contrato parassocial celebrado contemplava o direito de recompra, ficou determinado que esse era um direito essencial e foi dada uma palavra de honra". "Nessa Assembleia Geral, se esse direito não estivesse no contrato, a decisão teria sido recomeçar do zero nos distritais. Foi isso que foi negociado", vincou, deixando severas críticas ao diretor executivo da SAD, Rui Pedro Soares.

"Fiquei perplexo ao ouvi-lo dizer que teve uma grande vitória, porque um tribunal anunciou que estava livre de cumprir esses compromissos. É uma falta de respeito tremendo pela vontade dos sócios do Belenenses, que numa maioria de 99% votaram que queriam a Codecity fora do Restelo", atirou, garantindo "categoricamente" que não se vai demitir.

O facto de a direção considerar que o líder da SAD lesou o clube ao denunciar o contrato e consequentemente anular o direito de recompra é o motivo pelo qual rejeitou a admissão de Rui Pedro Soares como associado em março do ano passado e vai voltar a recusá-la. "Continua a faltar à palavra, a decisão mantém-se", atirou o presidente, que diz que a situação não vai afetar os jogadores. "Falo regularmente com alguns jogadores da equipa profissional e sei que é para o lado que dormem melhor. São bons rapazes, têm feito um trabalho positivo e estão focados em continuar a fazer um bom campeonato," salientou, admitindo também o diálogo com a SAD.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.