Clube e SAD de costas voltadas e cada um poderá ter a sua equipa

Tribunal Arbitral do Desporto rejeitou recompra da SAD por parte do clube, que quer ter equipa de futebol sénior. AG no dia 28

Emblema incontornável do futebol português, campeão nacional em 1945-46 e detentor de três Taças de Portugal, o Belenenses parece estar a caminho de uma reviravolta histórica, que poderá ditar uma divisão em duas equipas de futebol profissional.

O direção liderada por Patrick Morais de Carvalho tinha avançado para a recompra da SAD na última semana, no âmbito do acordo parassocial celebrado pelo antecessor com a empresa de Rui Pedro Soares, a Codecity Sports Management (CSM), a 12 de dezembro de 2012. Contudo, o Tribunal Arbitral do Desporto considerou válida a denúncia ao contrato feita há três anos e meio pela CSM por alegado "incumprimento do clube", e consequentemente considerou inexistente essa cláusula. Ou seja, o clube viu ser rejeitada a possibilidade de resgatar a sua equipa de futebol profissional.

Posto isto, e porque a vontade da direção e - no entender desta - "a vontade de todos" os sócios, "todos os cenários estão em aberto", inclusivamente a possibilidade de o clube vender os 10% da SAD que restam na sua posse e criar uma nova equipa de futebol sénior para jogar no Campeonato de Portugal já em 2018-19. Essa hipótese foi levantada ontem pelo jornal A Bola e não foi negada por Patrick Morais de Carvalho, que em conferência de imprensa realizada ontem remeteu a palavra para os sócios numa assembleia geral ordinária que vai realizar-se no dia 28, pelas 19.30. "Li o artigo, sei que podem estar bem informados e ter falado com alguém do Belenenses, mas não posso dizer qual vai ser o caminho", frisou.

O líder do emblema do Restelo revelou que vai apresentar uma proposta durante a AG mas que a irá manter em sigilo até lá, de forma a estar "blindada a ataques exteriores". A confirmar-se a criação de uma equipa pelo clube, a da SAD pode sofrer consequências. No limite, poderá perder o direito de usar o nome e o emblema do Belenenses, bem como o de utilizar o Estádio do Restelo, segundo avança o diário desportivo A Bola.

Líder da SAD recusado como sócio

No entender do presidente do Belenenses, Patrick Morais de Carvalho, "o contrato parassocial celebrado contemplava o direito de recompra, ficou determinado que esse era um direito essencial e foi dada uma palavra de honra". "Nessa Assembleia Geral, se esse direito não estivesse no contrato, a decisão teria sido recomeçar do zero nos distritais. Foi isso que foi negociado", vincou, deixando severas críticas ao diretor executivo da SAD, Rui Pedro Soares.

"Fiquei perplexo ao ouvi-lo dizer que teve uma grande vitória, porque um tribunal anunciou que estava livre de cumprir esses compromissos. É uma falta de respeito tremendo pela vontade dos sócios do Belenenses, que numa maioria de 99% votaram que queriam a Codecity fora do Restelo", atirou, garantindo "categoricamente" que não se vai demitir.

O facto de a direção considerar que o líder da SAD lesou o clube ao denunciar o contrato e consequentemente anular o direito de recompra é o motivo pelo qual rejeitou a admissão de Rui Pedro Soares como associado em março do ano passado e vai voltar a recusá-la. "Continua a faltar à palavra, a decisão mantém-se", atirou o presidente, que diz que a situação não vai afetar os jogadores. "Falo regularmente com alguns jogadores da equipa profissional e sei que é para o lado que dormem melhor. São bons rapazes, têm feito um trabalho positivo e estão focados em continuar a fazer um bom campeonato," salientou, admitindo também o diálogo com a SAD.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)