Carro da mulher de Conceição apedrejado à saída do Dragão

Notícia é avançada pelo jornal Record. Família do treinador do FC Porto apresentou queixa na PSP. Clube diz que "repudia totalmente o ataque" e "lamenta a falta de proteção das autoridades".

Uma noite para esquecer no Dragão e que terminou com um caso de polícia no seguimento da pesada goleada sofrida em casa pelo FC Porto (0-4) diante do Club Brugge, em jogo relativo à fase de grupos da Champions.

No final do jogo, à saída do Estádio do Dragão, um grupo de adeptos apedrejou o carro onde seguiam a mulher do treinador Sérgio Conceição e dois dos filhos do casal. A notícia é avançada esta quinta-feira pelo jornal Record.

De acordo com o diário desportivo, Liliana Conceição e um dos filhos terão mesmo sido atingidos. A situação chegou rapidamente ao conhecimento de Sérgio Conceição e foi imediatamente apresentada queixa do sucedido na PSP. De acordo com o Record, a família Conceição lamenta alguma passividade da segurança no local onde ocorreram os factos, sobretudo o facto de no local, e após uma pesada derrota, não ter existido um perímetro de segurança maior.

Refira-se que os dois filhos de Sérgio Conceição que se encontravam na viatura jogam no FC Porto. Rodrigo pertence ao plantel principal e José, o mais novo da família, atua no escalão dos sub-8.

À TSF, fonte da Polícia de Segurança Pública adiantou que ninguém ficou ferido neste incidente e que não há detidos.

Já esta quarta-feira, o FC Porto afirmou em comunicado difundido no seu site oficial que "repudia totalmente o ataque ao carro da família do treinador Sérgio Conceição" e "lamenta, ainda, a falta de proteção das autoridades, e apela a que o autor ou autores deste ato selvagem sejam rapidamente identificados e responsabilizados".

Terça-feira à noite, no Dragão, o FC Porto foi goleado pelo Club Brugge em jogo da fase de grupos da Liga dos Campeões. No final do jogo, Sérgio Conceição foi muito crítico com a atuação da equipa, que recebeu um coro de assobios dos adeptos.

"A equipa sentiu-se intranquila sem necessidade. Os erros e os golos acontecem, fazem parte do jogo. O que não faz parte do jogo, foi o que aconteceu a seguir. Não fomos equipa a começar por mim. Eu não fujo, dou a cara perante toda a gente e assumo a responsabilidade. Desta forma não podemos representar o FC Porto", disse.

"Mesmo na pré-época, em jogos sem objetivos como fizemos, não estivemos da forma que estivemos hoje. Vamos analisar tudo. Sei o que faltou. Vamos conversar com os atletas. Não é esta a imagem do clube. Era um jogo de Champions no qual essas características, associadas a alguma maturidade, têm de estar presentes. Caso contrário, acontecesse que um clube belga, com todo o respeito pelo Brugge e pela Liga belga, onde já joguei e treinei e é uma Liga difícil, venha a nossa casa... Não é normal nem habitual", acrescentou.

No final do jogo, Pinto da Costa e Vítor Baía estiveram no balneário do FC Porto a falar com os jogadores, descontentes com o resultado, que deixa a equipa com zero pontos em dois jogos, mas também a com a fraca exibição.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG