Benfica investe 26 milhões de euros em Facundo Ferreyra

SAD paga cinco milhões de euros brutos em cada um dos quatro anos de contrato do avançado, além de seis milhões em prémios e comissões

Facundo Ferreyra chegou nesta segunda-feira à tarde a Lisboa para fazer testes médicos e assinar contrato com o Benfica válido por quatro temporadas. "Estou muito feliz", foram as primeiras palavras do avançado argentino, de 27 anos, à chegada a Portugal.

Trata-se de uma grande aposta dos encarnados, tendo em conta o investimento neste avançado que totaliza os 26 milhões de euros, dos quais seis milhões são só para comissões e prémio de assinatura do atleta, aos quais é preciso juntar os salários, de cinco milhões brutos em cada uma das quatro temporadas do contrato, à razão de 2,2 milhões de euros limpos por ano.

Na época passada, Facundo Ferreyra marcou 30 golos em 42 jogos pelo Shakhtar Donetsk, clube a que esteve ligado desde 2013, tendo terminado o contrato este ano. Nos últimos dois anos foi treinado por Paulo Fonseca, tendo sido importante na conquista dos dois títulos de campeão da Ucrânia e duas Taças daquele país.

Facundo Ferreyra vai dedicar esta terça-feira aos exames médicos e à assinatura de contrato, devendo depois ser apresentado oficialmente como segundo reforço para o ataque do Benfica, depois de nesta segunda-feira ter sido oficializada a contratação do internacional chileno Nicolás Castillo, que chega dos mexicanos do Pumas, a troco de uma verba a rondar os sete milhões de euros.

O avançado de 25 anos, que assinou contrato válido por cinco épocas, esteve em Lisboa na semana passada, tendo a sua oficialização ficado em stand by devido a uma verba a rondar os 350 mil euros que o jogador tinha a receber do Pumas, um problema que foi entretanto ultrapassado.

"Mal soube do interesse do Benfica, só pensava em vir. É um clube grande, conhecido mundialmente, com muitos adeptos e muito falado, e nem demorei um minuto a decidir vir para cá", assumiu Nicolás Castillo em declarações à BTV.

O Benfica será o seu quarto clube na Europa, depois de entre 2013 e 2016 ter representado os belgas do Club Brugge, os alemães do Mainz e os italianos do Frosinone, sem sucesso. "Cheguei jovem [20 anos], um pouco imaturo", apontou Castillo, como explicação para esse falhanço, mostrando-se convencido de que desta vez tudo será diferente: "Agora estou a 100%, passei de novo pelo Chile, estive no México e isso ajudou-me muitíssimo. Joguei em ligas incríveis, em todas aproveitei e aprendi. Agora venho com a ideia de jogar e ajudar no que a equipa precisar."

O avançado assegurou ainda que está "com muita motivação e com foco no Benfica", pois admite que jogar de águia ao peito "é uma grande responsabilidade", razão pela qual pretende "continuar a somar títulos" e "tentar crescer pessoal e profissionalmente".

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".