Rúben Amorim insatisfeito com a venda de Matheus Nunes: "Não contava perdê-lo"

Em véspera de clássico no Dragão, o treinador do Sporting, Rúben Amorim, manifestou-se insatisfeito com a venda do médio Matheus Nunes para os ingleses do Wolverhampton e negou que a mesma sirva para contratar reforços para o plantel dos 'leões'.

DN/Lusa
Rúben Amorim© André Luís Alves / Global Imagens

"Obviamente que estou insatisfeito. Se não estivesse, alguma coisa se passaria. É um jogador que faz falta, não contava perdê-lo. O Matheus foi vendido para fazer face a coisas básicas do clube. Foi a ideia que nos transmitiram e não seremos nós a estragar esse conforto financeiro à direção. Não iremos fazer grandes mudanças na equipa, é difícil contratar nesta altura e conto com os que cá estão. Não iremos gastar o dinheiro do Matheus Nunes", explicou, em conferência de imprensa no Estádio José Alvalade.

Na véspera de visitar o campeão nacional FC Porto, para a terceira jornada da I Liga, a antevisão do jogo foi marcada por questões em torno da saída do médio internacional luso, que rendeu aos 'cofres leoninos' 45 milhões de euros, mais cinco em objetivos.

"Sei desde o primeiro momento que o Matheus poderia sair e a vontade da direção era essa. Avançámos para um plano B, que era vender outros, mas apareceu outra vez esta proposta. Sou empregado do clube e não controlo estas coisas. Deu saúde financeira ao clube e arranjaremos soluções, como temos vindo a arranjar", expressou o técnico.

Em relação a possíveis críticas dos adeptos por "incoerência", após vender Tabata para poder segurar Matheus Nunes e, depois, o médio sair de igual forma, Rúben Amorim foi perentório em dizer que a incoerência não é sua, mas de quem vende os jogadores.

"Se há pessoa coerente aqui sou eu. Não sou eu que vendo os jogadores. Fui criticado já por seguir as minhas ideias até ao fim. O jogador recusou uma proposta, mas temos de fazer dinheiro e vendemos outros. O Tabata era um jogador importante, mas, não podendo ficar com todos, sempre tive atenção quando faço plantéis. A incoerência não é do treinador", realçou o ex-jogador, de 37 anos, que lidera o Sporting desde meio da temporada 2019/20.

O projeto 'leonino' assenta em "criar mais-valias para sustentar o clube", com Amorim a fazer questão de mostrar a adoração que tem pelo "miúdo", a quem deseja felicidade.

"Vieram dizer-me que se dizia que eu fiquei chateado com o Matheus. Não é verdade, eu adoro o miúdo e quero que ele seja feliz. Sou muito agarrado a eles e nunca ficaria chateado com o Matheus. Se eu estou aqui, é por causa dele, Nuno Mendes, Palhinha, etc. Não tenho nada contra ele e vamos ser sempre amigos. Ficará marcado na minha vida, tal como todos os outros jogadores", frisou, a concluir o assunto da transferência.

O médio, de 23 anos, nasceu no Brasil, mas chegou a Portugal ainda adolescente e fez a sua formação no Ericeirense, antes de rumar ao Estoril Praia e, depois, ao Sporting, no qual alcançou a meta de 100 jogos com a camisola da equipa principal no último fim de semana, marcando um dos golos do triunfo dos 'leões, por 3-0, na receção ao Rio Ave.

As boas exibições no Sporting chamaram a atenção do selecionador Fernando Santos, com Matheus Nunes a totalizar oito internacionalizações e um golo pela seleção AA.

O Sporting, que soma quatro pontos ao fim de duas jornadas, visita o FC Porto, um dos líderes da tabela, com seis, a par de Benfica, Boavista e Vitória de Guimarães, em jogo da terceira ronda, no Estádio do Dragão, no Porto, às 20:30 de sábado, com arbitragem de Nuno Almeida, da Associação de Futebol do Algarve.