Radi Gadiraju é o visitante 2 milhões da Parques de Sintra

A cerca de dois meses do final do ano, empresa já recebeu mais visitantes do que em 2014

Hoje, às 11.00 da manhã, Ravi Gadiraju, de nacionalidade indiana, mas residente na Alemanha, entrou na história da Parques de Sintra, empresa criada em 2000 para gerir o património da Paisagem Cultural de Sintra. "Bastante surpreendido e um pouco nervoso com a presença de tantas pessoas", assim ficou Ravi Gadiraju, segundo comunicado da Parques de Sinta. Mas sentiu-se "honrado por ser o visitante 2 milhões", agradecendo a atenção e as ofertas.

O visitante, integrado num grupo da agência Cityrama, "foi recebido com uma festa-surpresa, que envolveu música e animação, e na qual lhe foram entregues algumas ofertas, finalizando o festejo com um bolo com a imagem do Palácio Nacional de Sintra e espumante, distribuídos por todos os visitantes presentes", informa a nota da Parques de Sintra.

Manuel Baptista, presidente do Conselho da Administração da empresa, considera que "o aumento do número de entradas reflete não só o sucesso na atração e receção de visitantes, mas também a crescente capacidade da Parques de Sintra para aplicar os fundos necessários à recuperação e manutenção do Património à guarda da empresa".

"Este marco reflete o crescimento continuado de visitas às áreas sob gestão da Parques de Sintra que, até ao momento, regista já um aumento de 15,21%, relativamente ao mesmo período de 2014", destaca a empresa, responsável pelo Parque e Palácio Nacional da Pena, Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz, Chalet da Condessa d"Edla, Castelo dos Mouros, Palácio e Jardins de Monserrate, Convento dos Capuchos e Escola Portuguesa de Arte Equestre. Durante o ano passado, estes monumentos receberam 1 928 000 visitas, sendo que a maior parte (86%), era estrangeiros.

O Parque e Palácio Nacional da Pena é o responsável por quase metade das entradas, sendo que este ano já recebeu 960 mil visitantes. Segue-se o Palácio Nacional de Sintra (cerca de 450 mil) e o Castelo dos Mouros (pouco mais de 314 mil).

Exclusivos