Jessie J foi a revelação de uma noite em que se esperava mais de Katy Perry

A exemplo do jogo com Uruguai, o último dia de rock in Rio teve duas partes distintas. Pelo meio, Portugal foi eliminado do mundial

Quando a brasileira Ivete Sangalo se despediu do público, minutos antes do jogo entre Portugal e o Uruguai, ao som de Tempo de Alegria, tudo parecia fazer sentido. Era a banda sonora ideal para a festa que já se antecipava, mas negada pelos dois golos de Cavani. Devido ao futebol, os horários dos concertos foram uns antecipados e outros atrasados. Talvez por isso, o recinto pareceu começar a encher bem mais cedo que nos dias anteriores e quando a cantora baiana subiu ao Palco Mundo para a sua oitava presença no RiR, já se acotovelava uma verdadeira multidão à sua espera no anfiteatro da Belavista. Durante pouco mais de uma hora, todos cantaram e dançaram os êxitos de Ivete Sangalo, que surpreendeu o público ao chamar para palco a compatriota Daniela Mercury, para interpretarem juntas Canto da Cidade, um dos temas mais conhecidos da convidada. No final, ainda desejou boa sorte à seleção e ao "amigo Ronaldo".

Quando a música voltou ao Palco Mundo, o ânimo do público ainda não era o melhor e talvez por isso a atuação da britânica Jessie J teve um arranque morno, mas não demorou muito a aquecer e acabou em total ebulição, ao som do êxito Price Tag. A pop alegre da cantora britânica funcionou como um bom paliativo para a deceção do 2-1, que começava a parecer cada mais distante e nem o facto de Jessie J ter dedicado Nobody's Perfect, à seleção parece ter afrouxado a festa. Tal como a equipa, na Rússia, também a cantora britânica deu tudo o que tinha naquele palco e o público respondeu à altura. Já da cabeça-de cartaz da noite, Katy Perry, o mínimo que se pode dizer é que lhe faltou um bocadinho para transformar um bom concerto em algo memorável - apesar da produção de palco, das dançarinas, dos confetes e das constantes mudanças de roupa. Aconteceu ainda assim a espaços, como na interpretação de Hot and Cold e do primeiro êxito I Kissed a Girl (dedicado ao mês do orgulho LGBT, que se assinalou em junho), mas também com Roar ou especialmente Fireworks, a épica canção com que encerrou o espetáculo, deixando a sensação final que tudo poderia ter sido muito melhor - tal como lá na Rússia...

Exclusivos