"Virgem com o Menino e Dois Anjos" já é tesouro nacional

Além do quadro atribuído ao Mestre de Santa Clara, o Conselho de Ministros desta quinta-feira classificou outras cinco obras.

Foram aprovados seis decretos nesta quinta-feira que classificam seis obras como de interesse nacional, tornando-se assim tesouros nacionais. Entre as obras classificadas nesta quinta-feira em Conselho de Ministros está o quadro Virgem com o Menino e dois Anjos, do acervo do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), atribuído ao Mestre de Santa Clara e datado do século XV.

A pintura estava dada como desaparecida por especialistas em arte antiga, e apareceu à venda, em leilão, em março de 2015, por um valor base de 5.000 euros, acabando por ser comprada por 30 mil euros pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), que no ano passado assinou a proposta de classificação da obra. Quando a pintura foi comprada, o diretor do museu, António Filipe Pimentel, disse à agência Lusa que a peça iria "colmatar uma lacuna" no acervo desta entidade, na área da pintura antiga portuguesa.

Além da obra do Mestre de Santa Clara foram também classificados como tesouros nacionais:

- o mosaico romano deus Oceano, datável de finais do século II d.C. ou início do século III d.C., pertencente ao acervo do Museu Municipal de Faro;

- o leito namban, também designado Cama Namban dos Condes d'Aurora, datável da primeira metade do século XVII (início do período Edo), propriedade privada;

- o centro de mesa e respetiva baixela de prata, da casa Veyrat, datado do século XIX, pertencente ao acervo do Palácio Nacional da Ajuda;

- o cetro evocativo de D. Pedro IV de Portugal, pertencente ao acervo do Palácio Nacional da Ajuda;

- Alfinete Neomedieval que pertenceu à Rainha D. Maria Pia e o Alfinete Neomedieval que pertenceu à Rainha D. Maria Pia, igualmente do acervo do Palácio Nacional da Ajuda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.