"Virgem com o Menino e Dois Anjos" já é tesouro nacional

Além do quadro atribuído ao Mestre de Santa Clara, o Conselho de Ministros desta quinta-feira classificou outras cinco obras.

Foram aprovados seis decretos nesta quinta-feira que classificam seis obras como de interesse nacional, tornando-se assim tesouros nacionais. Entre as obras classificadas nesta quinta-feira em Conselho de Ministros está o quadro Virgem com o Menino e dois Anjos, do acervo do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), atribuído ao Mestre de Santa Clara e datado do século XV.

A pintura estava dada como desaparecida por especialistas em arte antiga, e apareceu à venda, em leilão, em março de 2015, por um valor base de 5.000 euros, acabando por ser comprada por 30 mil euros pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), que no ano passado assinou a proposta de classificação da obra. Quando a pintura foi comprada, o diretor do museu, António Filipe Pimentel, disse à agência Lusa que a peça iria "colmatar uma lacuna" no acervo desta entidade, na área da pintura antiga portuguesa.

Além da obra do Mestre de Santa Clara foram também classificados como tesouros nacionais:

- o mosaico romano deus Oceano, datável de finais do século II d.C. ou início do século III d.C., pertencente ao acervo do Museu Municipal de Faro;

- o leito namban, também designado Cama Namban dos Condes d'Aurora, datável da primeira metade do século XVII (início do período Edo), propriedade privada;

- o centro de mesa e respetiva baixela de prata, da casa Veyrat, datado do século XIX, pertencente ao acervo do Palácio Nacional da Ajuda;

- o cetro evocativo de D. Pedro IV de Portugal, pertencente ao acervo do Palácio Nacional da Ajuda;

- Alfinete Neomedieval que pertenceu à Rainha D. Maria Pia e o Alfinete Neomedieval que pertenceu à Rainha D. Maria Pia, igualmente do acervo do Palácio Nacional da Ajuda.

Exclusivos